sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Bordieu, as Olimpíadas de Pequim e o Jornal Nacional:

A primeira idéia interessante que Bordieu apresenta no texto “Programa Para Uma Análise” é que a televisão dá mais espaço a um determinado esporte ou atleta à medida que este consegue satisfazer em grande quantidade o orgulho nacional de um certo país. Isso ficou muito claro na cobertura que o Jornal Nacional fez nas Olimpíadas de Pequim, em 2008. Um bom exemplo é o destaque que a seleção masculina de futebol teve em mais de uma edição do jornal, inclusive quando foi derrotada pela seleção argentina. Nessa ocasião, dois blocos do jornal abordaram temas relacionados à seleção brasileira. Quando a mesma seleção ganhou a medalha de bronze, o Jornal Nacional mostrou tal fato com enorme destaque, enquanto outro esporte brasileiro que também havia ganho medalha de bronze ficou em segundo plano, mal sendo noticiado. Estamos falando das atletas Isabel Swan e Fernanda Oliveira, que ganharam uma medalha de bronze inédita na vela feminina e não tiveram o mesmo espaço dentro do jornal que o futebol teve. Relacionando tal exemplo com as idéias de Bordieu, fica claro que o futebol teve mais destaque por ser a paixão nacional dos brasileiros. Outra idéia abordada no texto é sobre as Olimpíadas serem apresentadas como produto comercial que obedece à lógica do mercado, sendo assim ela deve ser oferecida a maior quantidade de público possível e nos horários de maior audiência. Um exemplo interessante para ilustrar tal fato é a conquista da medalha de ouro inédita da atleta Maurren Maggi, no salto em distância. O Jornal Nacional fez uma reportagem contando toda a história de vida da atleta, passando imagens que emocionavam o telespectador, apelando para um certo sensacionalismo. Além disso, imagens da atleta que teve sua vara perdida durante a competição de salto com vara, Fabiana Murer, ou ainda, imagens do ginasta Diego Hipolyto chorando após a queda na prova de solo, comovem quem assiste ao jornal. Todas essas imagens foram apresentadas mais de uma vez na cobertura dos jogos do Jornal Nacional, que muitas vezes as usaram nas chamadas do programa. Bordieu fala também sobre a espetacularização das Olimpíadas, o que ficou muito claro na edição de 2008 dos jogos, com a superprodução em torno das cerimônias de abertura e encerramento, que foram um show à parte. Bordieu afirma que o campeão é apenas um instrumento do espetáculo que é produzido mais de uma vez dentro de uma Olimpíada: a primeira é quando o fato realmente acontece (a vitória ou a conquista de alguma medalha importante) e a segunda é quando há repetição dessas imagens várias vezes. Para ele, isso ocorre devido à pressão da concorrência. Como exemplo, podemos citar o nadador americano Michael Phelps, que foi vangloriado por todas as nações que, muitas vezes, deixaram de lado a rivalidade entre os países para destacar as conquistas de Phelps, que foi o grande atleta das Olimpíadas 2008, por ter conquistado oito medalhas de ouro.
Daniela Gosrki, Francieli Silva, Iara Martins, Karin sampaio e Tabata Viapiana

Nenhum comentário: