quarta-feira, 6 de agosto de 2008

por uma outra comunicação

Em seu artigo “O poder midiático”, Ignácio Ramonet menciona superficialmente assuntos e conceitos abordados em outros de seus estudos.
O texto aborda, entre outras coisas, as conseqüências da revolução digital: como as mídias se fundiram, os conceitos mudaram e como pensar no mundo hoje como se fazia a 10-15 anos atrás é um grave erro. Em meio a todas essas mudanças, são os detentores do poder econômico que ditam as regras e a mídia, obediente, as propaga, de acordo com os interesses dos primeiros..
A mídia é um poder subordinado ao poder financeiro, o primeiro poder. Esse relacionamento é tão forte que, segundo Ramonet, a própria função dos meios de comunicação mudaram. Não se vende mais informação aos leitores, vende-se consumidores aos anunciantes. E por causa disso a informação não segue as leis da informação, que teria a veracidade como fator imprescindível, mas sim as leis de mercado. Some a isso a instantaneidade da informação e o fato de ela ser, cada dia mais, distribuída gratuitamente e você tem um sistema sólido, que se retro-alimenta e cujo combate parece impossível, ou pelo menos muito difícil.
Mas mesmo com todas esses aspectos negativos Ramonet ainda aponta um aspecto positivo. O nível de educação nunca foi tão alto em uma escala mundial e uma população melhor instruída logo exigirá uma imprensa de maior qualidade, que efetivamente reflita os anseios e expectativas da sociedade.

Guilherme Binder, Gustavo Yuki, João Guilherme Frey, Lidiane Tonon, Mariana Alves

Nenhum comentário: