segunda-feira, 15 de setembro de 2008

IDENTIDADE INDIVIDUAL E COLETIVA


A foto do estádio cria certo sentimento de pertencimento. Primeiramente o estádio Major Antonio Couto Pereira leva a um sentimento de familiaridade para os torcedores do Coritiba, torcedores que se identificam, não só com o estádio, mas com tudo que ele representa, muitas vezes desde a infância. É o local onde a família, os amigos e uma multidão de desconhecidos se encontra em função de uma mesma paixão, uma identidade coletiva. Ele também levará a uma identidade pessoal àqueles que já foram no estádio, ou tem alguma recordação daquele lugar específico. Se formos expandir para um âmbito social, podemos julgar que o futebol em si é uma identidade, uma identidade nacional, segundo Hall ela é construída e distribuída no sentido de produzir uma sensação de pertencimento. Nesse caso a identidade torna-se uma “ celebração móvel” formada e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos representados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam. Independente do estádio, ou do time, um jogo traz lembranças, arrepia, alegra, enfurece, traz familiaridade a diversas partes da sociedade. Neste grupo, todos torcem por algum time, e todos têm alguma simpatia pelo futebol, em maior ou menor grau. Ficam então várias identidades distintas: o time do coração, o estádio, a camisa, as cores, memórias daquele jogo importante, a pátria, a tradição popular.
Douglas, Giselle, Igor, Mariana e Oliver.

Nenhum comentário: