terça-feira, 7 de outubro de 2008

"Audio-visual Extensivo"

O jornalismo online, designado assim segundo com os norte-americanos, cresce num âmbito rápido e é alvo de grande experimentação de acordo com a forma. Com o boom das notícias veiculadas através da internet no Brasil em 1995, e com atualização em tempo real em 1996, o estilo de se repassar a notícia através do mundo virtual, criando a união de mídias e modelos culturais. Isso acontece no caso “evento audio-visual extensivo” (“extensive audio-visual event” assim apontado por Rush - 2005). Essa convergência acontece a partir do momento em que a utilização de desing gráfico integra o meio de comunicar.


Outra questão relacionada ao webjornalismo é a divisão do advento em três fases. A terceira geração pode ser característica da hipermiditização, em que faz-se, também, o uso da linguagem característica do meio virtual. As divisões ocorrem, segundo John Pavlick - professor da Universidade de Columbia –, em três modelos diferenciados: a 1ª fase é a transmissão das notícias apontadas pelo jornalismo impresso através da internet. A 2ª conta com as notícias do jornal impresso e com alguns detalhes a mais em relação a rede de internet. A 3ª e última característica é a atual, em que são usados experimentos dos formatos – conhecidos como storytellings – e oferece ao leitor a possibilidade de poder encontrar a informação em multimídia.

Com esse princípio, foi criado em 2006, pela rede Globo de Comunicação o portal G1. Esse portal de notícias está veiculado diretamente à rede web e não é publicado em outros tipos de mídias, como revistas e jornais. Assim, é considerado o pioneiro no Brasil, de forma totalmente inserido na cibercultura. Devido a essa tendência, pode-se considerar que o presente e o futuro estão marcados pelo ponto principal: rede tecnológica.

* Referências: A Presença da Cibercultura na Prática do Webjornalismo, Sônia Padilha.

O Jornalismo Online Como “Evento Audivisual Extensivo”: O caso do G1, Portal De Notícias Da Globo, de Lilian Cristina Monteiro França.

Aline Balbino

Bruno Camargo Manenti

Um comentário:

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO LILIAN UFS disse...

O texto mencionado é de minha autoria. Lilian Cristina Monteiro França.