quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A influência das telenovelas

O texto procura mostrar um estudo do modelo de codificação e decodificação de uma análise do perfil da pobreza na telenovela e das leituras que os jovens de classe popular fazem deste mesmo. Ao analisarem as relações entre grupos sociais ricos e pobres nas novelas, os receptores foram avaliados para apontar quais as suas relações entre a visão geral do mundo e a incidência da novela nas suas vidas.As codificações foram predominantemente preferenciais, com os entrevistados concordando com as representações de pobreza . Os mais humildes que venceram na vida ou aquele que se casou com alguém de classe alta. Os receptores com leituras opositivas não acreditam nessa maneira de elevação social.O objetivo é entender os modos de desempenho, que torna amenizada a desigualdade brasileira, e observar quais são os fatores que mudam para que ela se torne, de certa maneira, diminuído. É a telenovela discutida em seus modos de representações, como a classe popular é ofuscada nesse meio enquanto a classe alta é esbanjada, e de que maneira e até que ponto esta codificação/decodificação do público é tratada. Um dos aspectos relevantes do estudo diz respeito ao que concordamos com as práticas cotidianas de comunicação entrelaçadas com o poder de leitura e narração, e em que ponto isto se associa com certos conceitos das classes. Por fim, as telenovelas de fato apresentam um caráter de desigualdade altamente aparente. E o que podemos notar é que a maioria dos telespectadores oscila em uma consciência dividida, onde uma primeira parte considera os determinantes de classe sendo o peso do esforço pessoal e do mérito de cada pessoa, e o outro lado tem inconsciência da classe como determinante das chances de vida, ou seja, acreditam que uma pessoa só está em uma determinada classe porque nasceu neste meio e não depende somente dela pra que ela suba, ou caia, da classe social onde vive.

Fernanda Berlinck, Patricia Sheisi e Simone Bremm

Nenhum comentário: