domingo, 5 de outubro de 2008

Jornalinks

Ao nos depararmos com novas tecnologias, demoramos para decifrar seus enigmas. É assim com um novo software, com uma novo celular e até com um simples aparelho de tv. Com a internet, a coisa ocorreu de modo um pouco diferente. A adaptação não foi tão demorada, e absorvemos sua linguagem em pouco tempo, se formos considerar sua representatividade e inovação para o mundo.
As redações dos jornais adaptaram-se rapidamente a informatização e a cibercultura. Podemos identificar 4 fases: a de adaptação (a primeira redação com computadores foi a do jornal Folha de S. Paulo), instigamento (exploração e descoberta de novos recursos), deslumbramento (seduzidos pelos pcs e pela criação de softwares mais simples e fáceis, profissionais começaram a ousar), e dependência/ superação, fase na qual a internet e os webjornais buscam respeito e uma linguagem própria.
O jornalismo online tem como característica a convergência de mídias. Nele, televisão, rádio e jornal se encontram. A facilidade de atualização das notícias e a rapidez como isso pode ser feito faz da internet um meio muito eficaz, mas, muitas vezes, sem aprofundamento.
Um furo de reportagem ou uma notícia de extrema importância são vistos em uma hora, quinze minutos, ou até ao vivo.
Com o passar dos anos, a internet vem se consolidando não só como uma mistura de tudo o que já existe, mas sim, como uma nova mídia, que precisa ser respeitada e precisa ter linguagem própria.
Textos de jornais transcritos para a internet já não funcionam mais. A leitura no computador precisa ser dinâmica, clara e objetiva. A diagramação e o webdesign também têm papel importante. Fotos, vídeos, gráficos, cores, o mundo dos computadores é cheio de possibilidades. Apesar de recente, já encontramos 3 gerações distintas de notícias e jornalismo online. A primeira caracteriza-se pela simples reprodução do texto impresso em jornais para a internet. Atualizações a cada dia, seguindo o ritmo do jornal impresso. A segunda tem como característica a utilização das possibilidades da internet. Links, e-mails e outras particularidades passam a ser utilizadas. A terceira geração, na qual estamos, é a qual vê a internet como um meio auto-suficiente que pode ter linguagem, recursos e sobrevivência próprias. São criados sites e portais que só existem na internet, sem versão impressa.

Mariana Guzzo
Giovana Gulin
Juliana Lima
Flávia Zanforlim

Nenhum comentário: