domingo, 12 de outubro de 2008

Um jornalismo para todos














Derrick de Kerckhove

"As pessoas estão criando suas próprias redes de informação, das mais imediatas (família e amigos), às globais, através de blogs, comunidades virtuais e de softwares sociais. Podemos dizer que as pessoas criam suas próprias informações coletivamente em sites como a Wikipedia, por exemplo", afirmou Derrick de Kerckhove, do professor de Letras da Universidade de Toronto, em entrevista concedida para o Ministério da Cultura. Com essa citação damos início à discussão acerca da influência da cibercultura na produção e recepção da informação.
Tanto Sônia Padilha quanto Júlia da Escóssia relevam a aspecto interativo que a cibercultura proporcionou ao jornalismo. O imediatismo e a multifuncionalidade que foram expostas para a produção da notícia na web tomou grandes proporções, comparadas com os outros meios (rádio, TV e impresso). Num mesmo local (site) pode-se encontrar imagens, sons, fotos, gráficos, etc. Logo, quem dita o conteúdo da sua preferência, é o próprio consumidor da notícia.
Além de consumir, pode-se produzir a notícia também, é o que Sônia chama de prossumidor – neologismo que enfatiza a interação da pessoa comum, que antes era uma mera observadora dos fatos, para uma produtora, que expõem fatos que não foram cobertos pela imprensa, mas que foram captados por ela. É o amadorismo na Internet, que hoje também se encontra na televisão.
Assim, podemos retornar ao que Kerckhove expôs – a criação de redes próprias de informação. O crescimento de blogs, comunidades, sites de relacionamentos – como YouTube e Orkut – fazem da informação um bem comum e não um produto que está concentrado nas mãos dos profissionais.
Fica então o questionamento: até que ponto é válido “democratizar” excessivamente o controle da notícia? Até que ponto aquilo que lemos é verdadeiro? Até que ponto o jornalismo será o verdadeiro jornalismo?

TIME: Claúdia Guadagnin, Daniel Courtouke dos Santos, Fernanda Giotto Serpa, Guilherme Mélo, Tatiana Olegario da Silva

Nenhum comentário: