quarta-feira, 11 de março de 2009

Conceito de Comunicação

Um conceito tradicional de comunicação, tal como praticado na vida
social e na academia, é aquele que a identifica com as mídias de
informação e entretenimento: a imprensa, a televisão, o rádio, o cinema, e
assim por diante.
Naturalmente, comunicação também é entendida em seu sentido mais
elementar dos processos de interação, por meio da fala e das linguagens,
entre os homens em sociedade.
Para discutir a comunicação aqui, quero abordá-la a partir de seu
componente básico, a informação, aquela unidade - um gesto, um signo,
um gemido, um suspiro, um poema, um filme, uma notícia de jornal, um
show de TV, uma música no rádio, uma aula, um tratado de filosofia -, a
partir da qual se estabelece todo o processo comunicativo, seja pela via dos
meios de comunicação, também ditos de massa, seja pela comunicação direta, interpessoal.
Vivemos hoje uma época de grandes e
extraordinárias transformações, em face do advento que está sendo
chamado de sociedade da comunicação e da informação, base de uma
nova sociedade do conhecimento. Este é, de fato, mais um momento de
notável inflexão na história da sociedade, na qual se dá a democratização
mais radical, fundada nas possibilidades infinitas da comunicação, de troca
instantânea de comunicação entre os homens, mesmo entre aqueles
afastados uns dos outros por distâncias até bem pouco tempo inimagináveis.
Assim, se a ânsia vital do ser humano continuar a ser, como
certamente acontecerá, a ânsia da liberdade, traduzida nas sociedades
radicalmente democráticas, a organização e o controle dos meios de
comunicação e informação serão cada vez mais decisivos parra a existência
da democracia neste planeta.
A comunicação ainda é, porém, uma das vítimas mais expressivas da
camisa de força metodológica imposta pelo princípio da ciência neutra e
objetiva, com sua epistemologia fortemente fundada na perspectiva
meramente disciplinar.
Eu entendo, pois, que a comunicação, como campo específico do
conhecimento, constitui-se um dos locus ideais para a prática do
paradigma da totalidade como um novo método de apreensão e
transformação do real, pois é a comunicação, mais do que em qualquer
outro momento na história, a chave para a construção das sociedades democráticas do futuro.

Autor: Murilo César Ramos
Livro: Às margens da estrada do futuro, Janeiro 2000
Acadêmica: Lorena da Silveira Dias, Jornalismo Norturno, 3º Período Turma U

Nenhum comentário: