quinta-feira, 14 de maio de 2009

Hipodérmicos funcionalistas?

"Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por assuntos sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar, voltado para a manjedoura com os outros animais" - frase retirada do site "Armas silenciosas para guerras tranquilas" (http://www.syti.net/SilentWeapons.html), que dá "dicas" de manipulação da opinião pública e da sociedade. O site é um bom exemplo do incentivo à prática da teoria hipodérmica.

Juremir Machado da Silva diz ser hipodérmica, também, a TV Globo. Uma "expressão ideal do paradigma manipulatório", que "poderia fazer e desfazer a realidade brasileira, elegendo e derrubando presidentes, em função da absoluta incapacidade de resistência do destinatário". No entanto, o primeiro critério para que uma reportagem entre em algum jornal na Globo é que ela seja de interesse público. O jornalista William Bonner, no documentário Jornal Nacional 35 anos, afirma que "o jornal é aberto com o a notícia que possui maior apelo popular" (no caso foi o direito do consumidor). Casos mais atuais, como o do acidente envolvendo o deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho, estão sendo exaustivamente veiculados pela RPC a pedido de espectadores. Mas "dar ao público o que ele quer" não é uma das primeiras características funcionalistas citadas por Juremir Machado? Nota-se que, na prática, dificilmente são vistas as teorias funcionalista e hipodérmica sendo praticadas separadamente ou sem a influência uma da outra.

Grupo: Ana Carolina Baú, Letícia Paris, Emanuelle Garollo e Gabriele Lemes.

Um comentário:

celina disse...

bom exercicio de aplicação dos conceitos.
coerente a constatação - vistas na atualidade, na prática, as perspectivas teóricas não são necessariamente polos.