quarta-feira, 27 de maio de 2009

O Rock se vende pela indústria cultural?




O Rock é um dos gêneros mais variados de música existentes no planeta, dentro dele tem lugar tanto pro heavy metal quanto pro punk rock, um enorme leque de gêneros e formas de se expressar procurando uma certa originalidade de sons novos.
A questão é que a Indústria Cultural interfere no som das bandas que acabam não seguindo o que realmente querem, dessa forma uma banda pra se manter fiel ao som que sempre quis acaba sendo eternamente independente e na maioria dos casos eternamente sem lucro e sem dinheiro. Há raros exemplos de bandas que se manteram na cena underground, o Ramones por exemplo é uma banda ícone do rock e se manteve em selos independentes por um bom tempo, isso é RARO.
Por ser um gênero que gera muita contestação do mundo onde se vive, o seguidor do rock se sente traído quando uma banda muda o som por causa da gravadora, dessa forma a indústria age somente visando o lucro e não o conteúdo, qualquer banda que surgir hoje na cena underground e ir pra algum selo forte irá fazer chapinha no cabelo e cantar um refrão de amor, a bola da vez é o emo.
Claro que existem sempre exceções a regra: o AC/DC é uma das melhores bandas de rock do mundo e pertence a uma gravadora grande, assim como várias outras bandas, mas gostar de uma banda é questão de opinião, portanto não vale a pena julgar alguém porque ela gosta de determinado estilo, a indústria cultural sabe disso e age em todos os parâmetros do rock possíveis, desde Jonas Brothers ( rock? ) até o Metallica.
O rock vive uma incógnita, as melhores bandas várias vezes estão no underground, não generalizando. Pois estar na cena independente significa fazer realmente o que se quer e não ganhar o devido crédito por isso. Só que hoje ganhamos um grande auxílio dentro do rock: a internet. Baixar o que se gosta sem nenhum rabo preso com gravadora, aumentar o número de sons que se conhece significa aumentar as chances de escolher algo melhor. E não somente o Top 10 da rádio mais popular.



Leonardo Quintana Bernardi, Cláudio Alves, Diogo Souza
3º Período - Jornalismo/Noturno

Um comentário:

celina disse...

bom texto e ótimas informações, evidenciando conhecimento do tema.