domingo, 24 de maio de 2009

O Samba e a indústria cultural.

O SAMBA, ritmo musical tipicamente brasileiro, teve origem no final do século XIX nos locais mais humildes do Rio de Janeiro, onde se concentravam os negros. No começo o samba era usado mais para animar festas e sua origem vem da mistura do chorinho, que era aceito na época, com os tambores que eram utilizados no Candomblé. As letras eram baseadas mais na sociedade negra e no que eles viviam e justamente por isso não era muito bem aceito pela sociedade no geral, pois se formavam músicas mais pesadas e poucas pessoas gostavam.
Durante alguns anos o samba era mais tocado em festas e não tinha fins comerciais e nenhuma intenção de que isso acontecesse, mas com o tempo novos artistas e compositores, como por exemplo, Noel Rosa, Cartola, foram surgindo e alimentando esse ritmo nosso que já está enraizado. A partir dos anos 20, sambas começaram a ser gravados e eram acompanhados por Orquestras nos cassinos do Rio de Janeiro e foi aí que a mudança começou acontecer, pois a estrutura do samba foi modificada gerando um tipo de protesto pelas pessoas que tinham o samba como tradição. Grupos foram formados e aí surgiram as escolas de samba. Podemos dizer que á partir desse período que a indústria cultural entrou no conhecido ritmo brasileiro.
Depois da divulgação, o samba caiu no gosto popular e conquistou todas as classes, elevando o seu nível. Mas segundo José Adriano Fenerick, que teve como tema do seu doutorado na USP o próprio “samba só se tornou símbolo do Brasil devido aos interesses relacionados das camadas populares, da classe média, do Estado e dos meios de comunicação". Ao longo dos anos o samba se popularizou cada vez mais e conquista sempre novos adeptos. É uma marca da cultura brasileira. Do samba ainda vieram outros ritmos, como o pagode, o samba enredo, com algumas diferenças nas estruturas. E para finalizar, como dizia Noel Rosa, “o samba nem é do morro e nem da cidade. É brasileiro.”

Fonte: http://cienciahoje.uol.com.br/controlPanel/materia/view/2262
Denis Weisz Kuck - Ciência Hoje on-line (07/04/03)
Jornalismo – Noturno
Bárbara Lobo
Lorena Dias
Michelle Bragantini

Um comentário:

acadêmicos do segundo ano de Jornalismo da PUCPR disse...

outra postagem diz q é na bahia a origem...confiram, por favor.
a posição de vcs é mais pelo samba como cultura popular e menos industria cultural - é isso?