terça-feira, 12 de maio de 2009

Sobre a Teoria Hipodérmica




A teoria hipodérmica é a primeira teorização sobre comunicação de massa. Ela marcou de modo indelével a análise que fazemos sobre os media. Se quisermos, ela tem igual (ou mais) peso que a semiótica, a teoria crítica e a escola dos cultural studies. Resta comparar o impacto dela face à teoria optimista e utópica dos defensores das redes (internet, redes sociais, telemóveis), que, de certo modo, retomam a ideia de influência, mas agora associados à dispersão, à globalização, ao indivíduo e ao gozo pessoal, à escolha múltipla e à juventude.

A teoria tem significado cultural, econômico e técnico. Técnico, porque assiste a inovações e aplicações tecnológicas de grande impacto (cinema, rádio). Econômica, porque cria fileiras de atividades e de empresas, no que hoje designamos por indústrias culturais. E culturais, porque a massificação cria valores, gostos, consumos que, sem homogeneizar e harmonizar totalmente o mundo, torna identificáveis os objetos do mundo: Coca-Cola, Mc Donald's, o presidente americano, os Jogos Olímpicos, o futebol. Por isso, cria hábitos, horários e períodos: festival de Cannes, de Bayreuth, globos de ouro, campeonato mundial de futebol. Massa e cultura interligam-se desde essa teoria.
Alexandra Fernandes e Fernanda Zaremba - 3° Período Jornalismo - Noturno

Um comentário:

celina disse...

a fonte deve ser citada

http://industrias-culturais.blogspot.com/2009/02/teoria-hipodermica-em-dez-pontos.html