quinta-feira, 14 de maio de 2009

Sobre a teoria hipodérmica

Originária no período entre guerras (1920-30), a teoria propõem o receptor como massa homogênea. Os indivíduos não desempenham papel quanto à personalização dos conteúdos, mas como partes de um todo. E sendo assim, são desconsiderados enquanto personagens atuantes no processo comunicativo. A mensagem, para os adeptos dessa corrente de pensamento, produz um mesmo efeito em todas as pessoas, ou seja, é recebida uniformemente.
A passividade na recepção propõe uma relação direta entre a exposição do produto e o comportamento do destinatário, por isso, a teoria defende o uso da mídia pelo poder. Parafraseando Foucault é tudo uma questão de relações de poder. E no caso dos meios de comunicação, os hipodérmicos acreditam que a mídia e, no caso os emissores, são detentores do poder de escolha e determinam o que a massa, incapaz de fazer suas próprias escolhas, deve ou não receber como conteúdo.