sexta-feira, 19 de junho de 2009

Com a disponibilidade de tecnologias (internet, câmeras digitais, telefones com câmera) qualquer pessoa serve o publico com a informação que julga interessante. Esta função aguça o lado do jornalismo cidadão, e coloca em dúvida a credibilidade do que você lê. A medida é uma enganação. Pois não significa que o leitor poderá escolher a informação. Estamos vivendo algo que me lembra a Narkose, somos livres para ‘fazer’ o que queremos, mas, temos de arcar com as conseqüências.

Bruna Covacci - Turma A - Jornalismo 3° período

Nenhum comentário: