domingo, 30 de agosto de 2009

Modernidade Líquida

Bauman caracteriza a atual sociedade como uma sociedade líquida, fundamentada em um ambiente de incertezas, causadas pela ausência de um sistema capaz de oferecer proteção. O imediatismo, a efemeridade, a fragmentação da sociedade e o individualismo também compõem essa modernidade líquida, que sofre alterações a cada instante, em que o progresso é visto como a capacidade de permanecer incluso. Nas produções jornalísticas também é possível perceber esses elementos da vida líquida. Rossane Lemos, da rádio Lumen, explica que o jornalismo no rádio, por exemplo, é pautado pela agilidade, as informações são simplificadas para serem transmitidas da maneira mais rápida possível. Segundo Bauman, “ Prever tendências futuras a partir de eventos passados torna-se cada vez mais arriscado e, frequentemente, enganoso”. As reportagens, portanto, são cada vez mais factuais, destituídas de análises mais profundas e desvinculadas uma das outras. A pluralidade de emissoras de rádio é outro aspecto que reflete a fragmentação e a individualização da sociedade, os programas buscam atingir grupos específicos. Por exemplo, as rádios direcionadas ao entretenimento e as voltadas a noticia como a CBN e a Bandnews.

Equipe: Ana Luiza de Lima, Lívia Pulchério, Lorena Oliva e Nathália Pontes

Um comentário:

celina disse...

ok as informações. A redação poderia ser aprimorado, aproveitando todas as informações expostas. fechar melhor o texto.