quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Jornalismo líquido como reflexo da sociedade.

Jornalismo líquido como reflexo da sociedade.

É evidente, existe uma crise no jornalismo atual. A cada segundo que passa nos são arremessadas milhares de notícias, milhões de informações. Tudo em tempo real, conexões ao redor do mundo, tecnologia de ponta. Informação que nos convence sem merecer em velocidade e quantidade que não conseguimos domar com destreza.

Uma forma de comunicação pra uma sociedade que vive nesse ritmo. Um reflexo da selva e loucura que o indivíduo se encontra nos tempos atuais. Um período de insegurança, de contingência, da efemeridade das relações, do descartável. Uma sociedade que se molda com o tempo, que se refaz, se recicla. Líquida.

E a um consumidor tenso, inseguro e ocupado, apresenta-se um jornalismo superficial, aproveitador e despreparado. E que, economicamente, funciona. É no que acredita a jornalista Céci Maciel, que trabalha com rádio, ao garantir que a extrema velocidade e excesso de informações características do momento atual é um reflexo da vida frenética que o ser humano vive hoje em dia.

Francielle Ciconetto
Bruna Regattieri
Geferson Barazetti

2 comentários:

celina disse...

o texto é interessante, pelo modo como lida com os dados. no entanto, é pessoal demais e não faz a discussão de bauman.

Gringo disse...

Muito interessante. A cada dia tudo esta numa velocidade maior! E se os profissionais das noticias nao estiverem atentos, acabam superficiais. Que bom que pensam assim. Parabéns!