terça-feira, 8 de setembro de 2009


Minha identidade com Curitiba é, desde sempre, a rodoviária. Poderia ser algum estádio, uma praça, um shopping, uma rua, poderia ser qualquer outro lugar se eu gostasse da cidade. Para quem não é da cidade é mais fácil não gostar e perceber o que realmente tem de bom ou ruim. A própria rodoviária, por exemplo, é toda feia e sombria. Stuart Hall fala da “crise de identidade” que acontece com as pessoas e isso se encaixa na minha “identidade”. É uma suposta crise por sair de uma zona de conforto e conhecimento e ir para um lugar novo, desconhecido. Talvez seja esse o rela motivo, ou não. O fato de não gostar da cidade não quer dizer que eu não me adapte ou consiga viver nela, o conceito de identidade é diferenciado e meio complicado. Viver em Curitiba cinco dias da semana me basta, mas se tiver que ficar a semana toda ou um mês inteiro ficarei. Tudo depende da necessidade e da vontade.

Bábylla Miras
Jornalismo 4° período
Turma A Manhã

Um comentário:

celina disse...

interessante...vc criou identificação com um não-lugar...falaremos disso.