sábado, 5 de setembro de 2009


Para realmente definir minha identidade, eu colocaria aqui uma foto de praia. Como é necessário ser uma foto de Curitiba, o lugar com o qual mais me identifico é o Parque Barigui. O ambiente que me transmite é muito semelhante ao ambiente que a praia me proporciona. Um lugar calmo e agitado ao mesmo tempo, onde já conheci tantas pessoas. Lugar em que gosto de me encontrar com os amigos para passar a tarde e também é possível praticar meu esporte favorito: o vôlei de praia.
Há alguns anos, certamente minha identidade era encontrada em outros locais. Sempre na praia, mas na cidade, eu me encontraria mais em shoppings e cinemas. Isso nota-se inclusive pelas músicas que eu costumar escutar. De acordo com Stuart Hall em seu livro “Identidades Culturais na Pós Modernidade”, a minha identidade se resume ao que ele chama de “celebração móvel”. Por eu me transformar de acordo com o ambiente que me envolve e até com as músicas, como já havia citado, faz com que minha identidade também sofra mudanças.
Apesar disso, mesmo sabendo que futuramente poderei sofrer mais mudanças na identidade, estar entre a natureza, contemplando um lindo pôr de sol, ver pessoas de diversos estilos à sua volta, cria uma sensação ótima, que com certeza eu gostaria de manter.

Adriana Maestrelli
Jornalismo Diurno A

Um comentário:

celina disse...

ok, vc buscou refletir a partir do hall. pode explorar mais isso, para q fique menos simplificado. afinal, a questão é complexa. ainda q vc tenha tocado em pontos relevantes, deveria te-los deixado mais aderentes ao hall.