terça-feira, 8 de setembro de 2009

Shoppings Centers


Foto de Jonathan Seronato

O Shopping não engloba apenas uma faixa etária específica, devido a versatilidade que esse espaço possui, os shoppings conseguem atingir toda a população e como o shopping tem contribuído e representando tão bem a globalização. O tema “Shopping Centers” é pertinente às idéias expostas pelo teórico cultural Stuart Hall, que através do livro "Identidades Culturais na Pós-modernidade”, neste livro, o teórico faz um questionamento de maneira a globalização tem afetado para a crise de identidade da sociedade.

Podemos analisar o shopping como um planeta dentro de uma cidade, pode parecer meio lúdico, porém dentro desses espaços há grandes diferenças culturais, ideológicas, físicas e etárias e a partir do momento que as pessoas estão dentro desses centros urbanos, essas diferenças não são questionadas.

O fato de ter escolhido o shopping é porque, assim como eu, muitos vêm como um ponto de encontro, independente do que você fará. É bastante questionador, mas na praça de alimentação podemos ir de Minas Geais ao Japão, saboreando vários pratos, sem ao menos sairmos de nossos países. Nas livrarias, podemos ler desde os romances gregos aos livros de Paulo Coelho. Nas lojas de CD, podemos ouvir desde as sinfonias de Beethoven ao novo CD da Ivete Sangalo. É essa miscelânea de gostos que pode ser muito bem representada dentro dos shoppings centers e que certamente Stuart faria o mesmo questionamento: A sociedade perdeu os valores culturais com o surgimento do shopping? Na minha humilde opinião é que o shopping somou todos os valores e os colocou dentro de um mesmo espaço.

Texto escrito pelo aluno Jonathan Seronato, do 4º periodo de Jornalismo, turma A.

Um comentário:

celina disse...

ótima reflexão. vc toca na questão dos não-lugares, sobre o q falaremos, então.