quinta-feira, 3 de setembro de 2009

A TV líquida de Sofia


Sumir de vez não vai. Segmentar? Provavelmente. Afirma a jornalista e editora de imagem do Equipe Cesar Setti, Sofia Sulicy. Para ela, a televisão terá um caráter mais segmentado, atendendo mais ao público telespectador e suas “exigências nacionais.” E já no impresso, ainda atingirá aos leitores de antigamente, pois “gostam do tradicional cafezinho lendo o jornal.” Sofia ainda conclui que o jornal impresso sofrerá uma transformação com matérias mais aprofundadas e trabalhadas.


Com a agilidade dos meios eletrônicos, trará mais tecnologia a veículos que não se utilizam hoje deste ramo, como o jornal impresso. Sofia acredita que mesmo com os eletrônicos em vista, o impresso não será substituído. Haverá chances de conhecer novas maneiras de lê-lo, mas não trocá-lo: “Mas para ler, não gosto não. Nada melhor que um bom livro nas mãos.”


Aponta também que o ponto forte para não se desvencilhar do jornalismo com o tempo é manter a sua credibilidade. “A velocidade da informação será ainda maior, e os jornalistas terão de se mexer para não perder seu espaço, e o mais importante: sua credibilidade”.


A televisão trará no decorrer deste tempo mais avanços tecnológicos e meios alternativos: “A TV tem todas as possibilidades de atender a velocidade da informação. Fora que com a chegada da TV digital ela ficará bem próxima da internet. Acredito que ela acompanhará as novas tecnologias e não ficará para trás.” Afirma como seguidora fiel do meio em que atua. Como ainda finalizada a entrevista: “Muitos a tem como amiga. Aquela que está sempre ligada e acaba afastando da solidão. E se sumir, vai perder para a internet, que cada vez traz a TV dentro dela.”
Ana Caroline Bueno de Camergo, Ana Paula Scorsin, Nathalie Maia e Talita caroline Candido.
Turma U - Jornalismo, 4° Período

Um comentário:

celina disse...

e o bauman? era o objetivo da postagem.


obs
suplicy