sábado, 13 de março de 2010

Como a mídia lida com as grandes tragédias?

Os veículos de comunicação (TV, rádio, jornais impressos, revistas e internet) são responsáveis por manter o mundo atualizado. Contudo, deve-se observar que uma mesma informação pode ser transmitida de maneiras diferentes, dependendo do enfoque e do veículo.
Um mesmo acontecimento; o terremoto no Chile, por exemplo, pode ser veiculado sob forma de notícia padrão, sob o ponto de vista dos atingidos, de um especialista, de um estrangeiro.
O que vale é respeitar esta diversidade, já que há diferentes públicos. Além disso, cada meio transmissor possui as suas características marcantes que garantem a sua sobrevivência. A revista imprime notícias mais elaboradas, com mais dados e pesquisa. A TV se detêm com a instantaneidade e a necessidade de imagens.
Isso não os separa entre o certo e o errado, as diferenças estão na forma com que cada veículo foi condicionado. Os diferentes enfoques, como dito anteriormente, garantem ao público a escolha do tipo de abordagem que mais o agradar: se sensacionalista, se humanizado, se padrão.
A subjetividade é a responsável por garantir as variedades. O que é bom para certa classe às vezes não é bom para outra. O importante é que a notícia é a mesma e cada indivíduo procura por aquilo que quer saber.
Equipe: Amanda Burda, Camila Olenik, Magda Cursino, Rubens Moreira, Talita Inaba.
Comunicação Social - Jornalismo Manhã

Um comentário:

celina disse...

ok
mas
"O importante é que a notícia é a mesma..." - às vezes a noticia não parece a mesma, conforme o tratamento dado.
e
" ...e cada indivíduo procura por aquilo que quer saber" é uma posição bem funcionalista...logo falaremos a respeito.