sábado, 6 de março de 2010

Conceitos de Comunicação

Comunicação é o conjunto dos conhecimentos, sejam eles lingüísticos, psicológicos, antropológicos, sociológicos, filosóficos ou cibernéticos, relativos aos processos da comunicação. Pode ser analisada como a disciplina que envolve esse conjunto de conhecimentos e as técnicas adequadas à sua manipulação eficaz.
Comunicação é uma atividade profissional voltada para utilização desses conhecimentos e técnicas através de diversos veículos como veículos impressos, audiovisuais e eletrônicos, ou para pesquisa e o ensino desses processos. Neste sentido, a comunicação abrange diferentes especializações como: jornalismo impresso, jornalismo audiovisual, publicidade e propaganda, marketing, relações públicas, editoração, cinema, televisão, teatro, rádio e internet. Cada uma dessas especializações implica funções, objetivos e métodos específicos.
A palavra comunicação é derivada do latim communicare, cujo significado seria “tornar comum”, “partilhar, “repartir”, “associar”, “trocar opiniões”. Implica participação, interação, troca de mensagens, emissão ou recebimento de informações novas.
Segundo J. Dewey, a comunicação é o processo da participação da experiência para que se torne patrimônio comum. Ela modifica a disposição mental das duas partes associadas. Ainda segundo Dewey a sociedade não só continua a existir pela transmissão, pela comunicação, como também e pode perfeitamente, dizer que ela é transmissão e comunicação.
Para L. Thayer, em seu sentido mais amplo, ocorre comunicação sempre que um indivíduo atribui significado a um estímulo interno ou externo.
Já E. Menezes classifica comunicação como o significado de “estar em relação com”. Representa a ação de pôr em comum, de compartilhar as nossas idéias, os nossos sentimentos, as nossas atitudes. Nesse sentido, identifica-se com o processo social básico: a interação. É uma troca de experiências socialmente significativas; é um esforço para a convergência de perspectivas, a reciprocidade de pontos de vista e implica, dessa forma, certo grau de ação conjugada ou cooperação. Para tanto, toda sociedade adota um conjunto de signos e de regras que, por força das convenções tácita e coletivamente aceitas, deixa de ser arbitrário. Daí que se optássemos por símbolos inteiramente novos e estranhos, isso nos isolaria do resto da comunidade.


Fonte: RABAÇA, Carlos Alberto. Dicionário de Comunicação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001

Aluna Lidiane Tonon. Jornalismo noturno, 3°período.

Nenhum comentário: