quarta-feira, 28 de abril de 2010

Hipodérmicos x Funcionalistas


O autor aponta muitas diferenças entre os hipodérmicos e os funcionalistas:

- Um jornalista que vê o público como ditador do conteúdo que ele deve oferecer, é um funcionalista sem o saber. Ele acredita agir de acordo com o interesse de seu público, sem pensar na teoria, enquanto o receptor é forte, a mídia é fraca. Para ele, todos os anos de prática na profissão valem mais do que qualquer estudo teórico na área. Tem um pensamento democrático com relação ao espectador. O funcionalista acredita na capacidade que o receptor tem de filtrar e repassar a mensagem que lhe é passada.

- Enquanto o crítico do jornalista sente a liberdade de criticar e questionar seu oponente, sem questionar a si mesmo. Este hipodérmico condena a prática a partir da teoria estudada. Ele vê a mídia como um veículo poderoso, enquanto seu receptor é fraco, a mídia tem um grande poder de manipulação sobre o consumidor. Sente a necessidade de controlar o conteúdo que é publicado, muitas vezes de acordo com as características da empresa de comunicação, o horário de veiculação, o tipo de público que vai ter acesso a este conteúdo.

Juremir Machado da Silva conclui que o funcionalista não quer mudar o mundo e sim o equilíbrio funcional das sociedades, fingindo não saber que a informação se tornou um meio de entretenimento. Já o crítico hipodérmico acredita ter o poder de indicar o caminho certo para mudar o mundo, quer persuadir, influir e seduzir.


Ana Flavia da Silva; Bárbara Borba Moraes; Jessyca Milene Cardoso; Luciane Degraf e Prisciely Naiara Kuchnir do Prado. 3º período – Noturno.

Um comentário:

celina disse...

reflexão e leitura bem particulares, ainda q a partir do autor