sexta-feira, 9 de abril de 2010

Modelos Teóricos da Comunicação



Harold D. Lasswell em 1948 buscou as respostas através do modelo dos cinco W, como é conhecido na língua em inglesa, já que as questões que definiam um processo de comunicação de massas se iniciavam pela letra w - Who (quem), What (diz o que), Where (em que canal), Whom (para quem), Why (por quê?), descrever de forma rápida e prática o ato de comunicar. Respondendo essas perguntas considerava-se que o processo comunicacional estava completo.

• O “quem” seria a origem de toda a comunicação em que Lasswell incluía nesta definição todas as categorias de emissores.
• O “diz o quê?” é a mensagem, da onde tiraremos a informação que será analisada em termos estatísticos.
• O “em que canal” seria o meio pelo qual passaria a mensagem analisando o melhor meio para transmiti-la.
• O “para quem” seria o receptor que segundo Harold deveria ser estudado de forma quantitativa.
• O “com quem efeito” seria o impacto do público diante da mensagem transmitida.

Já Claude Shannon e Warren Weaver, os engenheiros da Bell Telephone elaboraram em 1949 uma teoria para determinar quais as condições para uma transmissão eficaz de uma dada mensagem entre um emissor e um receptor e explicar as perturbações possíveis. Através de seus estudos encontraram três níveis de problemas possíveis, técnico, semântico e de eficácia.

• Técnico - com que exatidão podem os sinais ser transmitidos?
• Semântico - com que precisão os sinais contêm o significado desejado?
• De eficácia – Com que eficácia o sinal afeta a conduta do receptor?

Através desse modelo seus autores criaram o conceito de ruído que seria qualquer perturbação que afete a transmissão do sinal e puderam concluir quem não é possível transmitir uma informação sem ruídos mesmo que estes atrapalhem o processo comunicativo.

Grupo: Amanda Walzl, Guilherme Mello, Rubiane Kaminski e Talitha Maximo / Jornal-3º M


Um comentário:

celina disse...

ok, boa pesquisa, informações corretas.