sexta-feira, 9 de abril de 2010

Modelos teóricos de comunicação


Martino traz dois modelos teóricos de comunicação com olhares e foco bem distintos.
O modelo de Lasswell:
Voltado para o estudo sobre mídia e política. Sua análise, muito simples, sugere: “Quem diz o quê, em que canal, para quem, com que efeito” e tem como ponto de partida o modelo de comunicação de Aristóteles.
Harold D. Lasswell trata a comunicação como uma função. Para ele, a mídia é o agente articulador da sociedade. Para explicar isso, usa três funções: 1 – a integração entre várias instituições sociais acontece a partir de informações geradas e distribuídas pela mídia. 2 – é a mídia quem transmite informações de todas as partes para o controle central. Gerando um consenso que é a base da democracia, mantida por uma comunicação política montada para garantir a ligação entre sociedade e mídia. 3 – transmissão de culturas, práticas e visões do mundo de gerações em gerações.
Notamos uma visão realmente ligada para a parte política e social. A comunicação move a sociedade e tem funções vitais para a integração entre mídia e população.
O modelo de Shannon e Weaver:
Formulado por Claude Shannon e Warren Waeaver, é baseada numa equação a partir da quantidade de mensagens e da medição de ruídos (maior quantidade de tempo / menor tempo possível). O modelo gira em torno do conceito de “ruído”, que é tudo que interfere no caminho da mensagem, ou seja, qualquer coisa que a atrapalhe.
A mensagem é transformada durante o processo de transmissão devido à existência de ruídos nos meios de comunicação, gerados pelo uso de um meio físico para transmitir a mensagem. Os autores do modelo notaram que era possível chegar a uma mensagem desprovida de ruídos. Aquela veiculada em mídias digitais é mais pura de ruídos do que a difundida por meio elétricos e eletrônicos de divulgação.
Percebemos que os autores tratam do que interfere no êxito de cada mensagem. O ruído está presente em praticamente todos os meios, o digital vem com o intuito de gerar uma informação desprovida de qualquer ruído. Os físicos acreditam que a existência do ruído torna a noção de que o comunicador será totalmente entendido uma pressuposição, quando deveria ser um fato.

Bethina, Camila Matta, Carla, Jéssica Yared, Lucas, Rhânelle (Jornalismo - manhã)

6 comentários:

acadêmicos do segundo ano de Jornalismo da PUCPR disse...

Professora, só agora quando fui revisar o texto para a prova que percebi que os nomes foram postados errados. No lugar da Ana Carolina Weber é a Camila Alves Ramalho Matta. A Ana Carolina já postou o seu texto com outro grupo. A senhora poderia considerar a mudança? Desculpe o transtorno.
Att,
Camila Matta

acadêmicos do segundo ano de Jornalismo da PUCPR disse...

Professora, só agora quando fui revisar o texto para a prova que percebi que os nomes foram postados errados. No lugar da Ana Carolina Weber é a Camila Alves Ramalho Matta. A Ana Carolina já postou o seu texto com outro grupo. A senhora poderia considerar a mudança? Desculpe o transtorno.
Att,
Camila Matta

Acadêmicos do segundo ano de Jornalismo disse...

Professora, conforme conversamos, corrigimos os nomes do grupo. Obrigada.

Att.

Acadêmicos do Segundo Ano de Jornalismo disse...

Professora, conforme conversamos, já corrigimos o grupo da postagem.
Obrigada!

Att.

celina disse...

veja o q informaram no inicio do ano

1 Bethina Reichelt, Carla, Jessica Y, Letícia

2 Ana Luiza, Amanda Hecke, Camila Matta, Letícia da Costa, Rhânele Kiatkoski

quais são os grupos?

celina disse...

bom estudo do texto,acompanhado da reflexão.
o último período está confuso...