domingo, 11 de abril de 2010

Sensacionalismo e vigilância de mídia

Uma discussão em sala no dia 05 de abril levantou a seguinte hipótese: De tão utilizado nos meios de comunicação atuais, o sensacionalismo poderia passar de uma disfunção a um método de criação jornalística com a função de alarmar? Sabe-se que o sensacionalismo jamais conseguirá cumprir um desempenho educativo, e talvez por isso haja uma preocupação tão grande em exercer a vigilância sobre os meios de comunicação – um dos tópicos citados no estudo de Lasswell em aula.
Deveria então a mídia policiar suas próprias produções? E isso seria aplicado dentro de cada empresa de comunicação ou de emissora para emissora? Essa hipótese pode criar uma rivalidade ainda maior entre canais (tomando por exemplo a televisão), e caso fosse uma questão de cautela individual, todo jornalista iria julgar seu texto como “enfático”, nunca chocante.
Com certeza essa vigilância não deveria ser praticada pelo Estado, pois facilmente poderia caracterizar censura. Depois das grandes tragédias da ditadura brasileira no século passado, não seria uma idéia sensata.
Sobra então a cobrança do CIDADÃO sobre a mídia. Já dentro desse cuidado exercido pelo público, surgem cidadãos críticos, que muitas vezes formam lideranças ainda mais críticas! Mas a influência desses líderes também não é um tipo de censura? Ou apenas formação de opinião?
Quem sabe, o ideal seria que a prudência em relação aos exageros midiáticos deveria caberá a cada indivíduo, a cada expectador – afinal opinião também é questão de gosto. Então, voltamos a questão de: “quão elucidada é a população comum para distinguir notícia de alegoria, e até que ponto ela é manipulável pelo sensacionalismo?”.
E você? O que acha? Comente!

Por Taisa Esther Echterhoff - aluna do 3º período

Um comentário:

celina disse...

bom exercício!

1 a sua proposta de debate é interessante e bastante polêmica...a se pensar, muito...
2 o lider de opinião é um filtro, mas não tem à disposição os modos de produção que um veículo tem, por ex.
3 eSpectador...