quarta-feira, 21 de abril de 2010

Teorias da Comunicação: Hipodérmicos tardios versus funcionalistas inconscientes

Para Bourdieu os jornalistas em geral resistem a qualquer objetivação de suas práticas, crítica é sinônimo de ‘’ dor de cotovelo’’.
No texto em questão vemos muitos argumentos sobre o interesse em servir o público da melhor maneira, seja ela certa ou errada, de acordo com os estudiosos das teorias de comunicação, para eles existem dois tipos de público: funcionalista e hipodérmico
A primeira situação o jornalista erra com sua autoconfiança, determinando seu trabalho através do julgamento de que atende apenas ao interesse do público, oferecendo o que ele precisa, mas sem se perguntar o por que da necessidade de tal informação.
Já na outra o ele filtra o que deve ser passado ao espectador não pondo na mesa todas as peças do jogo, fazendo do processo de comunicação uma via única, onde não há a troca de informação, e sim apenas um discurso próprio levando a massa a pensar de forma ímpar, sem poder refletir na sociedade em que se encontra.
‘’ O jornalista simplifica por excesso de otimismo; o militante, por excesso de pessimismo. Um vê na mídia um serviço, no máximo um poder de influência; o outro, um desserviço, no mínimo uma instância de manipulação’’
Com isso o texto nos fala que o funcionalista desconsidera a teoria em nome da experiência e da prática , já o outro condena a prática com base em suas descobertas teóricas.
A teoria hipodérmica vale dos seguintes itens:
Público fraco –emissor forte
Efeitos diretos (ausência de filtros)
Comunicação persuasiva
Psicologismo
Massa alienada, atomizada e submissa segundo Atallah
Para os hipodérmicos e esquerdistas que compartilham da mesma idéia - se a televisão passa violência, resta apenas a censurar o conteúdo afim de coibir crianças e adolescentes expostos a conteúdo impróprio e de efeito nocivo a sociedade.
Na teoria funcionalista existe a figura do jornalista que é líder de opinião, recebe, filtra e repassa a mensagem aos companheiros de tribo que é o sujeito influenciador.
“ o jornalista, funcionalista por desconhecimento, acredita na sociedade pluralista; portanto só pode ver o seu receptor como um sujeito que escolhe em função das próprias necessidades.’’
Ainda mais, o funcionalista reflete por subtração, o hipodérmico pensa por multiplicação, embora cada um tenha um método diferente de se aplicar no mercado, ambos buscam o mesmo resultado; o impacto, que apesar de negarem sempre correm em busca e não vivem sem ele.
Humberto Mac Leod

Um comentário:

celina disse...

estudo evidencia adequada compreensao do texto.