sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Segundo Stuart Hall, o sujeito pós-moderno acaba assumindo uma identidade diferente a cada situação. Não existe uma identidade plenamente unificada, completa, segura e coerente. "A identidade é formada e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos representados nos sistemas culturais que nos rodeiam" (Hall). Eu poderia falar de como gosto do Jardim Botânico, de como acho o Museu Oscar Niemeyer imponente, ou até de como me sinto feliz em uma sala de cinema. Enfim, a verdade é que é difícil escolher um lugar com o qual me identifique por aqui, pois são muitos (eu realmente sinto que nasci na cidade certa do Brasil). Mas, escolhi a Torre Panorâmica (ou da Telepar/ Brasil Telecom/ Oi), pois lá de cima é possível ver a cidade (quase) inteira. Demorei 16 anos para ir até lá em cima, mas a sensação que tive ao sair do elevador foi do mais puro encanto. A sensação de ver Curitiba sob este ângulo é incrível, para mim. Sei que a cada momento encontramos um lugar que nos faça sentir bem, mas é sempre boa a sensação de ter um lugar que faça a diferença.

Luciane Degraf - 4º período, Jornalismo - Noturno.

Um comentário:

celina disse...

bonito...um angulo diferente, pouco citado, mas q deixa claro o olhar de pertencimento.