segunda-feira, 21 de março de 2011

Conceito de comunicação - Charles Cooley

Em 1909, Charles Cooley um dos pioneiros dos estudos sobre a comunicação, afirmava que « comunicação é um mecanismo através do qual existem e se desenvolvem as relações humanas ».
Todos nós comunicamos... ou tentamos fazê-lo...
Comunicar é significar através de qualquer meio, é colocar em comum, é partilhar.
O Homem é um ser social, que pela Razão/Experiência desenvolve sinais da sua "conversa com o mundo". O homem nasce e desenvolve-se num mundo natural e humano no qual experiencia e comunica, através de linguagens produzindo e reproduzindo cultura.
Hoje na "aldeia global " há necessidade de ajustar a comunicação entre pessoas de diferentes estilos de comunicação em resultado das suas diferentes culturas, pelo que vêem e entendem o mundo de formas diferentes.

Avançamos a todo o vapor dentro da Sociedade da Informação.
Onde dantes se davam ordens, agora é preciso comunicar
Onde dantes se aplicavam decretos, agora são precisas campanhas de publicidade
Onde dantes se pensavam produtos, agora pensa-se consumidores


Fonte: http://www.prof2000.pt/users/sara/comunicar.htm



Maria Aparecida Brey
Paula W. Pellizzaro
Rafaela Campanholi

segunda-feira, 14 de março de 2011

Conceito de comunicação - Paulo Nunes

Conceito de Comunicação de acordo com o autor Paulo Nunes. Retirado do site: http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/comunicacao.htm

A comunicação constitui uma das ferramentas mais importantes que os líderes têm à sua disposição para desempenhar as suas funções de influenciação. A sua importância é tal que alguns autores a consideram mesmo como o “sangue” que dá vida à organização. Esta importância deve-se essencialmente ao facto de apenas através de uma comunicação efectiva ser possível:

1. Estabelecer e dar a conhecer, com a participação de membros de todos os níveis hierárquicos da organização, os objectivos organizacionais por forma a que contemplem, não apenas os interesses da organização, mas também os interesses de todos os seus membros.

2. Definir e dar a conhecer, com a participação de membros de todos os níveis hierárquicos da organização, a estrutura organizacional, quer ao nível do desenho organizacional, quer ao nível da distribuição de autoridade, responsabilidade e tarefas.

3. Definir e dar a conhecer, com a participação de membros de todos os níveis hierárquicos da organização, decisões, planos, políticas, procedimentos e regras aceites e respeitadas por todos os membros da organização.

4. Coordenar, dar apoio e controlar as actividades de todos os membros da organização.

5. Efectuar a integração dos diferentes departamentos e permitir a ajuda e cooperação interdepartamental.

6. Desempenhar eficazmente o papel de influenciação através da compreensão e actuação em conformidade satisfação das necessidades e sentimentos das pessoas por forma a aumentar a sua motivação.

Grupo:
Gustavo Austin
Gustavo Magalhães
Lucas Vian
Renan Araújo

quinta-feira, 3 de março de 2011

Mauro Wolf

O modelo «comunicativo» da teoria hipodérmica

“Na realidade, mais do que de um modelo sobre o processo de comunicação, dever-se-ia falar de uma teoria da acção elaborada pela psicologia behaviorista. O seu objectivo é o estudo do comportamento humano com os métodos de experimentação e observação das ciências naturais e biológicas. O sistema de acção que distingue o comportamento humano deve ser decomposto, pela ciência psicológica, em unidades compreensíveis, diferenciáveis e observáveis. Na relação complexa que existe entre o organismo e o ambiente, o elemento crucial é representado pelo estímulo; esse estímulo inclui os objectos e as condições exteriores ao sujeito, que produzem uma resposta. «Estímulos e resposta parecem ser as unidades naturais em cujos termos pode ser descrito o comportamento» (Lund, 1933, 28). A unidade estímulo/resposta exprime, por isso, os elementos de qualquer forma de comportamento. O estímulo, na sua ligação com o comportamento, é a condição primária, o agente da resposta: «a estreita relação entre os dois torna impossível a definição de um a não ser em termos do outro. Em conjunto, constituem uma unidade. Pressupõem-se mutuamente.

Estímulos que não produzem respostas não são estímulos. E uma resposta tem necessidade de ter sido estimulada. Uma resposta não estimulada é como um efeito sem causa» (Lund, 1933, 35).”

O modelo de Lasswell e a superação da teoria hipodérmica

“Elaborado inicialmente nos anos 30, exactamente na «época, de ouro» da teoria hipodérmica, como aplicação de um paradigma para a análise sociopolítica (quem obtém o quê? quando? de que forma?), o modelo lasswelliano, proposto em 1948, explica que «uma forma adequada para se descrever um acto de comunicação é responder às perguntas seguintes:

quem

diz o quê

através de que canal

com que efeito?

O estudo científico do processo comunicativo tende a concentrar-se em uma ou outra destas interrogações» (Lasswell, 1948,84).”

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 1995.



Alunos: Camila Galvão, Camila Barbieri, Etiene Mandello, Virginia Crema

terça-feira, 1 de março de 2011

Conceito de comunicação segundo McLUHAN

"A comunicação é o processo que envolve a troca de informações utilizando-se dos sistemas simbólicos como base para o entendimento das informações a serem passadas. Podemos também identificar algumas maneiras de se comunicar: duas pessoas podem se comunicar através da fala, escrita, gestos com as mãos, mensagem enviada através do telefone, internet e outros meios de telecomunicações que permitem assim a interação entre as pessoas afins de algum tipo de troca informal."





(McLUHAN, M. 1964. Os meios de comunicação como extenções do homem. São Paulo editora Cultrix.)
Jessyca Milene Cardoso . Noturno