terça-feira, 31 de maio de 2011

A rotina do 'webjornalista'

Entrevistando três jornalistas que trabalham online, percebemos um certo padrão na rotina daqueles que agem nesse meio.
O jornalismo na internet é feito de maneira rápida e o mais objetiva possível por se tratar de uma mídia altamente interativa e cada vez mais procurada. A produção de uma reportagem pode levar apenas alguns minutos ou, dependendo da necessidade de melhor apuração, pode-se levar dias. Em geral, as notícias são encontradas na própria internet e as fontes não necessariamente são oficiais. Mas de toda forma, o jornalista precisa ter muitos contatos principalmente de assessorias e salas de imprensa.
Quanto aos valores notícia, para esta plataforma é interessante publicar aquilo que agrada seus leitores e público alvo, que é variável. Por exemplo, no caderno GAZ+ do website da Gazeta do Povo, o alvo são os jovens das classes A e B e portanto os produtores de conteúdo visam informar sobre música, moda, celebridades, etc. No Guia Gazeta do Povo eles pretendem basicamente o mesmo , porém para um público um pouco mais velho. De modo geral, os valores notícia mais utilizado são notoriedade, proximidade e atualidade.
Por último, a questão da hierarquia nos veículos online é a mesma dos jornais impressos, por exemplo. Há um redator chefe que comanda editores executivos e subordinados a eles estão os editores que pautam os repórteres. Assim, o ambiente de trabalho é bem agitado e ativo, os jornalistas cumprem prazos assim como qualquer outro e precisam estar em dia com tudo. O diferencial no jornalismo online, e o que torna o ofício um pouco mais corrido, é que é necessário atualizar o conteúdo dos sites frequentemente, de acordo com a demanda do público.


Gustavo Magalhães
Mariana Siqueira
Olívia D'Agnoluzzo
Pauline Féo

Rotina dos jornalistas na televisão

A rotina do jornalista que trabalha em televisão e complexa e necessita da colaboração dos outros profissionais para a realização de um trabalho satisfatório.
Independente da função que ocupem na produção de um jornal para televisão, é necessário que todos os profissionais estejam bem informados sobre os fatos do dia, seja através de outros telejornais, radiojornais, impressos ou internet.
A confecção das pautas é um trabalho conjunto. Diretores, apresentadores e repórteres auxiliam o pauteiro, com sugestões de tema ou de direções a serem seguidas, além de pesquisas para aprofundamento sobre o tema.
Durantes as gravações nas ruas, repórteres e repórteres cinematográficos necessitam de uma boa sintonia. Ambos devem estar atualizados sobre as notícias do dia, o que influencia na forma como questionamentos e imagens serão feitas, para gerar um resultado final com valor-notícia relevante ao telespectador, como atualidade, proximidade ou comoção social.
O apresentador deve saber, com antecedência, quais os principais temas que serão veiculados para que possa pesquisar ou se aprofundar mais sobre algum tema mais complexo.
Além disso, como os telejornais são ao vivo, todos os profissionais são responsáveis pela sincronia e respeito ao tempo exato que o programa fica “no ar”. O horário para início e termino do jornal, que varia de emissora para emissora, deve ser obrigatoriamente respeitado e isto é possível através do roteiro bem produzido e com marcações do tempo de cada matéria corretos e responsabilidade de todos os envolvidos.


Alunas:
Karuza Sautchuk
Maria A. Brey
Paula Wernek Pellizzaro
Rafaela Campanholi

Camila G.; Camila B.; Etine M. e Virginia C.

O presente trabalho tinha por escopo analisar a rotina e vida de um jornalista, em qualquer meio de comunicação. No caso, escolhemos os jornais impressos. Os Repórteres: Felippe Aníbal, jornalista Gazeta do Povo; Márcio Barros, repórter da Tribuna e Pedro Serópio, fotógrafo da Gazeta do Povo, nos mostraram diferentes visões do dia a dia na redação de um jornal.
Cada um tem sua rotina, mas a maneira de encararam o trabalho e a corelação entre vida pessoal e profissional se assemelha. Todos se preocupam com o trabalho, mesmo quando estão fora dele. Ficam atentos aos outros meios de comunicação: rádio, televisão e internet, buscam novas notícias, são na sua própria definição: “jornalistas 24 horas”.
Interessante ressaltar o respeito que conferem a hierarquia nas redações. Sem pestanejar conferem importância as divisões no trabalho, editores, reportes, jornalistas e pauteiros, por exemplo, mas destacam o valor de se fazer ouvir e colaborar, sempre que possível, com opiniões pessoais.
De certa forma, as opiniões divergem quanto aos valores notícias. Felippe acredita que o critério mais importante é o da abrangência, ou seja: quantas pessoas são afetadas pelo assunto em questão e de que maneira. Para Márcio o importante esta na notoriedade do caso, se é um algo inusitado ou recorrente, e valores éticos, como a integridade da fonte. Por fim, Pedro aposta que o valor de uma matéria esta no que ela que vai importar diretamente para o interesse da sociedade.
Independentemente, é consenso que trabalho de jornalista é estar antenado, em contato com as fontes e conciliando vida pessoal coma profissional.

O dia a dia do jornalista na TV

Por: Aline Przybysewski, Ana Evelyn de Almeida e Lucas Molinari.

Ser jornalista e principalmente, trabalhar na TV parece ser glamoroso. Mas esses profissionais fazem o possível e muitas vezes o impossível para cumprir o dever de informar com credibilidade.
Os comunicadores transmitem a sociedade os principais fatos e acontecimentos. O cotidiano dos jornalistas é na verdade, uma corrida contra o tempo e muitas vezes a vida profissional se mistura a pessoal. Pois a notícia não tem hora nem local marcados para acontecer.
A notícia passa por vários processos, desde o momento em que acontece até ser apresentada no jornal. A direção e o resultado final da produção de notícia depende de vários fatores, como interesses e influencias do meio e dos profissionais envolvidos.
A relação entre os jornalistas e suas fontes geram as notícias. É um relacionamento complexo, que acontece geralmente entre as esferas públicas e privadas e é muitas vezes negociável.]
No telejornal não existe muita liberdade quanto a produção de notícias ou auto-suficiência. O trabalho é quase sempre em equipe. Os cargos que mais influenciam e determinam no processo são o pauteiro, que pensa, sugere e defende a pauta. O repórter, que vai cobrir a pauta e pode encaminhar um foco ou ressaltar alguns temas em seu texto, dando mais importância a este ou aquele fato. E o editor que seleciona o que vai ou não ser apresentado no telejornal.
O tempo de produção de notícia mudou e vai continuar mudando, devido a enorme e constante mutação tecnológica. Assim surgiram novas ferramentas de trabalho para os jornalistas, facilitando o acesso e agilizando a propagação de notícias.
A notícia é o produto da empresa de comunicação. E o valor-notícia é determinado pelo meio ou veículo, seguindo as características e pontos de vista destes. É preciso que além de importante o acontecimento seja noticiável, segundo os critérios ou filosofia de cada empresa.

Análise TV

Analisamos o meio televisão a partir de três emissoras: A TV Araucária, acompanhando a repórter Gabriela Bastos, CNT, com Giovanna Pereira, e Jogo Aberto, com Napoleão de Almeida. Com esse estudo, é possível mostrar o trabalho do repórter no dia a dia da, desde a produção de pauta até a divulgação da notícia. Nesse aspecto, o repórter fica responsável pela elaboração de temas, idéias que possam ter um gancho noticioso. Como as emissoras não dispõem de uma equipe completa, e o repórter fica com várias funções acumuladas na redação. Logo pela manhã, o repórter começa a produzir as pautas, e até buscando fontes e novas idéias para as pautas do dia seguinte. Todo o processo, desde a produção da pauta até a divulgação do fato exige muito trabalho e dedicação do repórter, que chega a envolver até mais de oito profissionais, incluindo a parte gráfica. São 24 horas por dia antenados com os principais jornais, rádios, sempre tentando fazer o furo da notícia antes dos concorrentes e assim ganhar credibilidade.
Não existe nenhum tipo de glamur no processo de apuração da notícia, mas muito trabalho e dedicação total por parte de todas as pessoas envolvidadas na elaboração e edição da notícia. O relacionamento com as fontes se mostra firme e sem troca de favores para adquerir informações nos três casos analisados.
A entrevistada Gabriela aponta que em uma emissora de baixo alcance, o principal valor notícia é a proximidade, o que possa se refletir na cidade diretamente, além da visualidade, portanto o que gera mais imagens ganha mais espaço.


Alunos: Daphine Augustine
Felipe Dalke
Jasson Wolff
Jhonny Castro
Raphael Ribeiro

O Veículo Rádio

A Pesquisa elaborada foi baseada em três diferentes emissoras de presença jornalística. A Rádio Banda B, a qual teve um acompanhamento em especial do Jornalista Tiago Silva. A Rádio CBN, sendo o jornalista entrevistado o Filipi Oliveira e da Band News a jornalista Lorena Pelanda. Uma das principais características apontada pelos entrevistados em relação ao veículo em que trabalham é a busca em atender o interesse coletivo.

Buscar trabalhar a notícia de modo que ela alcance o maior número de pessoas possível, procurando proporcionar a elas uma maior proximidade entre veículo e ouvinte. O tom coloquial que o rádio trabalha, e a questão do jornalismo cidadão, em que o próprio ouvinte pauta as rádios são características fortes.
Buscam transmitir as informações factuais e de maior relevância em primeiro momento e, na sequência, apresentam o material pautado pelos ouvintes e/ou repórteres e produtores, de acordo com o grau de coletividade e aprofundado pelos repórteres.
As três emissoras começam sua produção diária com reunião de pauta e definição dos assuntos a serem trabalhados. Sugestões de ouvintes, releases de assessorias de imprensa e sugestões dos próprios repórteres são consideradas.

A rádio Banda B se diferencia um pouco das rádios CBN e Band News por ter um tom mais descontraído, talvez um apelo mais popular. A CBN parece seguir um modelo de rádio tradicional, mais sério. A Band News fica no meio termo. Todas desempenham o papel de jornalismo cidadão.

Acompanhar diferentes veículos e seus profissionais nos permite visualizar o modo como cada emissora busca a notícia e a trabalha, para atingir e transmitir da melhor e mais clara forma possível seu público alvo.

Alunos: Rubia Lorena Curial Oliva
Letícia Martins Donadello
Julio Cesar Glodzienski
Fellipe Gaio da Silva
Felipe Martins Gonçalves
(3º período - noite)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Rotina - Rádio

Analisando três emissoras de rádio distintas, a Banda B , a Canção Nova Nossa Senhora da Luz e a Radio Comunitária do Boqueirão, vimos que cada uma possui diferentes rotinas e características na maneira de realização de suas programações. No entanto, o foco de todas é o mesmo, atingir a comunidade e transmitir informação – notícia.
Alcançar a comunidade é o maior objetivo das rádios estudadas, focando na transmissão de informções para um determinado público, que no caso das rádios estudadas é um público de classes C e D. Acreditam que o dever de todos os comunicadores é levar a notícia ao ouvinte. Afirmando então a importancia da união dos envolvidos para a produção das notícias, a constante busca de novidades para transmitir na programação e a proximidade das rádios com os ouvintes de cada veículo são características fundamentais para o desenvolvimento de uma programação dos veículos.
A rádio Canção Nova Nossa Senhora da Luz se distingue das demais pois é uma radio religiosa, a sua programação é evangelizadora. O lema da radio é informar através da evangelização. Acreditam que o jornal ganha muito quando não transmite notícias trágicas, só reportagens leves, porém relevantes, elas são muito bem apuradas, levam, com simplicidade e clareza, conteúdo e qualidade aos ouvintes.
Analisar a rotina de um veículo e de um profissional de rádio nos permite enchergar o que é, e como acontece no dia-a-dia de um comunicador. Sendo então importante para conhecimento do outro lado, o da apuração das informações que chegam aos espectadores.


Diana Araujo
Isabelle Warzinczak
Melanie Lisboa

Rotina - Revistas

A partir da análise das entrevistas com os diretores de redação e repórter das revistas Where Curitiba, Top View e Época, pudemos relacionar três diferentes rotinas produtivas baseadas em suas periodicidades. Sendo a Where Curitiba bimestral, a Top View mensal e a Época semanal, estabelecemos contato com profissionais que lidam com diferentes deadlines, linhas editoriais e funções.
Por se tratar do veículo revista, esta não tem a possibilidade de dar furos jornalísticos devido ao seu longo período de produção. Sendo assim, a revista tem a função de pesquisar e aprofundar mais os assuntos já abordados em outros veículos que noticiam o factual.
As diferenças tanto nas linhas editoriais quanto nos deadlines trazem mudanças no ritmo de produção da notícia e na busca pelos valores-notícias. A Where Curitiba trabalha com um período de produção maior do que a Época e tem a possibilidade de aprofundar e analisar mais o assunto. Em contraponto, a segunda pode publicar o mesmo tem em diversas edições, conforme o desenvolvimento dos fatos.
Podemos ainda destacar a diferença no público das três revistas. Além de terem linhas editoriais diferentes, a Época é uma revista de alcance nacional, por isso se preocupa com matérias que atinjam o Brasil inteiro. Em contraponto, a Where Curitiba e a Top View procuram matérias mais específicas para o público paranaense, onde a circulação das respectivas revistas é maior.

Grupo:
Bruna Milanese
Carine Rocha
Jordana Basilio
Juliana Pivato

Rotina - rádios

Das três rádios que nossa equipe entrevistou, apenas uma (Rádio Globo) é totalmente voltada ao noticiário. As outras duas (Massa FM e Lumen FM) são rádios musicais, em que apenas algumas notas são informadas aos ouvintes. Ou seja, não há um aprofundamento maior das notícias nas duas últimas rádios citadas.
Além disso, é notável que as rádios de maior audiência sejam as FM. Entretanto, a Rádio Globo, a única voltada a dar informações, é AM. Não tem uma audiência tão grande quanto às outras. Para a nossa equipe, o fato de a maioria das pessoas ouvir rádios musicais, levará algumas rádios informativas a uma espécie de “extinção”, ainda que em longo tempo, já que, para conseguir audiência, a publicidade tem que acompanhar as rádios e, se isso não acontecer, estas não têm quase nada de lucro.
É claro que isso não é regra. Grandes rádios informativas, como a CBN e a Band News, têm um bom público-ouvinte (pessoas letradas e bem instruídas). Entretanto, isso não é um privilégio de todas as rádios informativas. A CBN e a Band News são FM, isso já é um ponto positivo. Além disso, o fato de elas serem mais conhecidas, também ajuda.
Todos sabem que o papel do jornalista é informar a sociedade. Quando uma rádio (nosso veículo escolhido) possui estrutura para conseguir apurar as notícias, estas chegam aos ouvintes com maior qualidade. Já quando a rádio não possui essa estrutura necessária ou é mais voltadas a transmitir músicas, nós acreditamos que as informações passadas ao público não sejam tão boas.


Equipe:

Aline Hobmeier
Gabriela Rodrigues
Gleize Perez
Isabella Rosa
Karen Okuyama


Jornalismo – 3° período – manhã

Rotina na Televisão

No trabalho observamos que o jornalista tem o papel de prestador de serviços a população. A noticia deve chegar ao conhecimento de todos para que as autoridades possam tomar as devidas providências. Para as duas entrevistadas, o valor-notícia principal é a utilidade pública. Por isso também é importante que se leve em conta a relevância dos fatos no que se refere à proximidade em que eles ocorrem.
Na rotina de produção da notícia, as fontes são peça-chave. De acordo com Gil de Carvalho, a escolha das fontes precisa ser feita com responsabilidade. E Para Isabela Scalabrini, as reportagens devem ter muitas fontes, mas todas elas devem ser confiáveis. É importante também ressaltar que, para ambos os entrevistados, todos os lados de um acontecimento devem ser ouvidos e levados em conta na hora de produzir a notícia.
O jornalista é jornalista em tempo integral. Ele precisa estar atento a tudo que acontece, inclusive em fatos do dia-a-dia, como uma ida ao supermercado, uma conversa entre amigos ou até a fila do banco, por exemplo. Mas ao transformar esses fatos em notícias, é necessária responsabilidade.
Na televisão, assim como em outros veículos a função do jornalista é similar no que se refere à ética, apuração de fatos e vontade de servir a população. Em relação à hierarquia, todas as pessoas que trabalham em um veículo são essenciais no processo de produção. Uma reportagem mais complexa precisa passar por vários jornalistas, inclusive por todos os chefes de redação, editores-chefe e produtores.

Carolina Chinen
Daniela Maccio
Fernanda Vargas

Jornalismo de Televisão

No jornalismo de televisão, os repórteres tem que chegar na emissora pelo menos uma hora antes da primeira pauta para saber qual será o assunto, ler a mesma e se houver alguma dúvida, tirá-la com o pauteiro. Precisam também estar bem informados, e normalmente vêem os jornais que passam antes de irem para a emissora, escutam rádio, entram em sites de notícias. Estando bem informado, o jornalista vê na rua, enquanto prepara a matéria se o tal assunto, pré determinado pelo pauteiro, rende ou não uma notícia. As fontes podem ser desde um personagem até um político, ou um especialista no assunto da pauta. A hierarquia geralmente é: pauteiro, repórter, editor de imagem e texto e o editor chefe do telejornal, caso exista alguma outra dúvida, o editor de jornalismo pode vir a ser consultado. Seu tempo de produção depende do foco da matéria, que pode levar de algumas horas até meses e anos, como por exemplo: Os diários secretos do Jornal Gazeta do Povo e RPCTV. Os valores notícia também depende da matéria, cada um tem seu foco e seu valor, cada um tem seu critério de seleção.

Ana Luísa Bussular
Náthalie Sikorski
Rhaíssa Sizenando
Rogério Scarione
William Borges

domingo, 29 de maio de 2011

Rotina do Jornalismo em televisão


Veículo analisado: Televisão
Programa de televisão Nossa Cidade TV Araucária
Repórter: Daniel filho formado pela Universidade Tuiuti

No jornalismo de televisão ganha quem chega primeiro, as imagens são o ponto forte, e muitas vezes elas falam por si só. As reportagens para este veículo são na maioria das vezes factuais.
A estrutura hierárquica do Jornalismo de televisão e subdivida em Chefe de reportagem, repórter e editor.
O chefe de reportagem é quem encaminha os repórteres, na maioria das vezes ele é quem decide qual pauta deve ser colocada em pratica, e qual repórter deve faze - lá.
O repórter executa a pauta e estrutura a matéria.
O editor monta a matéria e juntamente com o repórter decide o que colocar ou não na reportagem.
As pautas geralmente são enviadas por e-mail, sugeridas pela população ou partem de uma pesquisa sobre assuntos que estão na mídia.
Durante amanhã o chefe de reportagem se reuni com os repórteres para decidir as pautas mais relevantes, depois que elas são divididas e escolhidas os repórteres ligam para as fontes, se ela for factual o repórter vai até o local no horário marcado, se algo de relevância maior acontece, ele deixa a pauta “menos importante”, e faz a mais relevante. Depois das gravações ele vai para o estúdio onde grava os offs das matérias, tudo é capturado pelo editor que recebe as instruções do repórter quanto à estrutura da matéria (off+sonora+off etc.).
A noticia passa por mais de 4 pessoas até chegar ao receptor, o tempo de produção fica em torno de uma hora pra cada matéria, se ela for especial pode ter até 2 dias de produção.


Jessyca Milene Cardoso
Jornalismo noturno

João-Lucas-Renan

Claramente percebemos que em todos os casos dos nossos entrevistados, a internet e as redes sociais passaram a ser um meio de buscar informações para pautas. No caso de Ângelo Binder repórter da Gazeta do Povo, quem faz as pautas é seu editor, que faz uma reunião logo cedo pedindo todos os possíveis assuntos para o dia.
Rodrigo Sell, repórter da Tribuna do Paraná além dos meios virtuais não abre mão dos meios conhecidos de determinada área como dirigentes e comissão técnica no caso quando o assunto é futebol.
Para Renan Colombo, editor do Jornal de Londrina a internet também é outro meio muito utilizado para buscar pautas. Na ausência de um pauteiro até Renan se torna responsável por sugerir pautas. Para isso ele sempre lê os principais jornais do estado e acompanha até mesmo por Twitter possíveis informações que sejam de relevância para seus leitores
O que não deve ser esquecido é sempre fazer uma boa apuração da informação obtida, já que a internet é um meio aberto a todos e qualquer um pode por sua opinião ou divulgar algo que não seja verdadeiro. O valor-notícia aqui é definido por aquilo que interessa aos leitores, algo que faça parte do seu cotidiano. Bolsa de valores, política e coisas que possam alterar a rotina de trabalho e até de vida do leitor.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

ROTINA – JORNALISMO IMPRESSO

No jornalismo impresso a noticia é tratada de forma diferente dos outros veículos de comunicação, nele há um aprofundamento maior dos fatos, e o lide é uma fórmula sempre aplicada em suas edições, para que o principal da matéria seja logo exposto ao leitor. Já que não conta com imagem em movimento, interatividade, som, instantaneidade como outros meios, o jornalismo impresso busca seu diferencial na reflexão sobre as noticias apresentadas.
Comparando jornais paranaenses impressos de: alta, média e baixa tiragem, Gazeta do Povo, Jornal do Estado e Jornal do Bairro Alto respectivamente, nota-se que a rotina de trabalho é exaustiva por sua matéria prima ser a noticia, “produto” que vence rápido no mercado. Porém, alguns critérios de avaliação dos valores noticia, número de fontes e de pessoas que entram em contado com o veículo, mudam conforme seu público, tamanho e a circulação.
A hierarquia em todos os jornais é basicamente a mesma, mudando muitas vezes somente o nome, a estrutura básica de organização é: Chefe de redação - editor - repórter. E a matéria passa pela mão de todos esses profissionais antes de ser publicada. As formas como são feitos os levantamento das noticias e como entram em contado com os entrevistados são as mesmas: telefone, pessoalmente, e-mail, MSN e até mesmo as redes sociais. Entretanto os entrevistados buscados pelos jornais são diferentes, nos caso do Bairro Alto são autoridades do bairro, já no caso do Jornal do Estado e da Gazeta do Povo são autoridades municipais e estaduais.


AMANDA SCANDELARI
BEATRIZ ZANELATTO
CAMILA CASTRO
HELENA SALGADO

Jornalismo 2º ano - manhã

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Casamento Real na Mídia



Desde que o casamento de Kate Middleton e o Príncipe William foi anunciado, em novembro do ano passado, a imprensa mundial não tirou os olhos do evento. Durante 11 dias, anteriores ao casamento real, acompanhamos o jornal Gazeta do Povo que, em diferentes editorias, conseguiu abordar o assunto de diversas formas. Em comum, nas 11 reportagens, três valores notícia: atualidade, notoriedade e sexo (casamento e relações pessoais). Porém, mesmo parecendo um assunto limitado o jornal conseguiu atrair a atenção dos leitores com temas variados.

Para exemplificar a variedade escolhemos quatro matérias com focos diferentes: no dia 20 de abril a matéria com título “Casamento real tem esquema minucioso de segurança”, além dos valores notícia já citados, encontramos poder, dinheiro, morte e confidências, por se tratar das preocupações com atentados terroristas. Já no caderno especial “Revista da TV”, do dia 24 de abril, a matéria “Um show para os súditos” dá destaque a transmissão do casamento pelas emissoras mundiais, além de citar o vestido de noiva de Kate e a decoração do casamento, sendo os valores notícia: dinheiro, amor, lazer, moda, arte e poder. Duas matérias, que traziam assuntos bem diferentes, trouxeram ao leitor um valor notícia comum: a proximidade. Em “Casamento real inspira menu do Vindouro” e “Embaixador brasileiro é um dos convidados da família real” os repórteres tentaram aproximar um evento tão distante para a casa dos leitores. No primeiro caso, o leitor poderá provar um cardápio inspirado no jantar real, já na segunda matéria a presença de um brasileiro no casamento mostra que nossa nação estará representada no evento.

Alunas: Camila Galvão, Camila Barbieri, Etiene Mandello, Virginia Crema
Equipe

André Recchia
Gabriela Campos
Penélope Miranda
Tiago André


O que leva um acontecimento a ser considerado notícia? Como os profissionais de comunicação julgam o que vão publicar na mídia/ Levando em conta os chamados valores-notícia. São características atribuídas a acontecimentos cotidianos que se tornam relevantes. Alguns exemplos são: famoisidades, dinheiro, poder, sexo, religião, amor, contraste (rico pobre vida morte), entre outros. No livro "o manual do foca", de Thaís De Mendonça Jorge, cita um exemplo ilustrativo acerca do assunto, Quando um cachorro morde um homem não é notícia mas se torna quando o contrário acontece.

Os primeiros a teorizar a respeito dos valores-notícia foram Johan Galtung e Mari Holmboe Ruge. Valores-notícia, segundo os teóricos, nada mais são do que critérios de noticiabilidade que pautam os meios de comunicação, seja jornal impresso, internet, televisão ou rádio.

Em nossos estudos sobre o tema, observamos por dois dias algumas reportagens das editorias MUNDO e COTIDIANo do Jornal FOLHA DE SÃO PAULO. Por meio das análises, constatamos que de fato as matérias eram repletas de valores-notícia, e, inclusive, as referentes à morte, celebridades, interesse público e contrastes.

Vida Pública - Gazeta do Povo

O veículo escolhido para análise foi a Gazeta do Povo impressa e a editoria Vida Pública. A reportagem, do dia 28 de abril, “Advogado-geral do Senado vai analisar ação contra Requião” foi a selecionada para determinar seus respectivos valores-notícia.
Nela, o advogado Alberto Cascais recebeu do presidente do Senado José Sarney a representação movida pelo Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal contra o paranaense Roberto Requião. O senador ameaçou fisicamente um repórter da rádio bandeirantes no plenário, além de tomar o gravador de sua mão. Cascais fará um parecer sobre o episódio e, se o processo tiver sequência, será levado ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.
Atualidade foi um dos valores notícia encontrados na matéria, por se tratar de um acontecimento recente. Impacto também poderia ser relacionado, caso fosse uma matéria sobre as ameaças, a situação e a representação movida contra o Senador, pois atinge várias pessoas. Por ser uma pessoa famosa e de bastante repercussão na mídia, o valor Notoriedade também aparece. Dentre os temas de valor, os que se destacam são Poder, por envolver disputa de poder entre sindicatos e associações; Governo, onde entra a administração das cidades ou do país; e Confidências, que aparecem as intrigas e a vida pessoal de famosos, além de denúncias.

Miguel Rezende
Yan Carlos Londero Gazzoni

Folha de S. Paulo - Hipertensão

A reportagem publicada no Jornal folha de São Paulo no dia 27 de Abril de 2011, editoria de Saúde, traz como assunto principal a hipertensão, cujo título da matéria é “Pressão alta atinge 23% dos adultos no Brasil”.
A pesquisa foi feita pelo Ministério da Saúde com adultos das 27 capitais. O Rio de Janeiro foi considerada a capital com mais hipertensos no Brasil. Segundo a notícia, a maior parte dos hipertensos são mulheres com mais de 50 anos de idade, isso porque o hormônio estrógeno diminui nessa idade, sendo ele o responsável pela proteção “natural” contra pressão alta.
A reportagem faz um alerta de como se prevenir e em como aumentou o número de idosos com pressão alta, 64% dos homens e 75% das mulheres com mais de 70 anos, aumentando o risco de infarto, derrame, diabetes e doenças renais.
Entretanto, a reportagem traz pontos contraditórios, como o fato da pesquisa apresentada ser incerta, pois nem todos os brasileiros vão ao médico com frequência. Segundo a matéria, as mulheres se consultam regularmente. Sendo assim, os dados que apontam as mulheres como as mais atingidas pela hipertensão, também não é válido.
A matéria traz um gráfico de fácil leitura, com dados de cada capital, gráfico de 2006 a 2010 com a quantidade de diabéticos por ano no país, explica o que é hipertensão, como prevenir, quais são os gatilhos, outros.

Os principais valores noticias são: notoriedade, interesse público e contraste.


Lidyane Dryelli Pereira

Análise do Caderno G da Gazeta do Povo

O Caderno G da Gazeta do Povo tem como principais valores notícia a proximidade e a atualidade. Outros valores notícia talvez sejam menos presentes, por se tratar de um caderno de cultura, visto que suas matérias em geral são de menor notoriedade e urgência, sendo com frequência pautas que podem até mesmo ser deixadas para a próxima edição.
A proximidade é constante, pois com frequência as matérias do Caderno G são de produção curitibana e paranaense, noticia-se sempre o que acontece e é produzido aqui.
No caso da atualidade, justifica-se frente ao foco do Caderno G estar sempre mostrando o que de mais recente há nessa produção cultural, inclusive com uma agenda de shows, espetáculos e cinema.

Alunos: Daphine A.
Felipe Dalke
Jasson Julio Volff
Jhonny M.
Raphael Ribeiro
R

Jornal Gazeta do Povo

O veículo escolhido para fazer uma breve exploração das características da notícia, partindo dos valores notícia, foi o Jornal Gazeta do povo.
Na editoria Vida e Cidadania três reportagens foram estudadas, iniciando-se com a que foi publicada em 25/04, onde falava sobre a depredação de 7 ônibus do transporte público, 27 prisões e 42 ocorrências registradas após o último Atletiba. Os valores notícia encontrados foram: Proximidade, pois gerava interesse por implicar diretamente na vida do leitor; Relevância, por se tratar de uma noticia significativa; Negatividade, pela depredação do patrimônio publico e prisões de cidadãos; Volume; Interesse Publico; Atualidade.
Outra reportagem analisada foi do dia 26/04 que é uma repercussão do que foi ao ar no domingo, no fantástico, e fala da Diretora da Policia Rodoviária Federal que teve sua carteira de habilitação suspensa por exceder o número de pontos permitidos. Os Valores notícias dessa são: Atualidade – Mostra os desdobramentos que aconteceram após a primeira notícia apresentada. Proximidade – Física e psicológica, por ela ser paranaense e por uma parte da população já ter sido multada alguma vez. Notoriedade – Pois trata de uma autoridade do transito. Caráter inesperado - Não se espera que uma autoridade responsável pelo trânsito tenha sua carteira de habilitação cassada.
Já a reportagem sobre a mistura do consumo de álcool com energético que foi publicada no dia 28/04. O valor notícia é de Impacto, pois é uma notícia que gera negatividade, pelos riscos prejudiciais a saúde e amplitude, pois a maioria da população já provou bebidas alcoólicas.
A segunda editoria escolhida para análise foi Vida Pública. Uma das matérias selecionadas, fala a respeito da fraude da lista em 2009 com os nomes dos servidores públicos (março/2011). 72 funcionários foram "excluídos" da lista. Dentre eles, estavam funcionários fantasmas e parentes de políticos.
Logo no título da matéria, encontramos a palavra "fraude" que já nos remete ao impacto que a notícia causa. A quantidade de pessoas envolvidas e a notoriedade (por se tratar de pessoas conhecidas da população) também dão maior credibilidade à matéria. A relevância e importância da notícia também são notadas, pois é um caso que aconteceu há 2 anos e veio à tona novamente. A segunda reportagem publicada no dia 27 de abril, com o título “Reajuste do piso regional passa sem emendas”, divulga que o valor do salário mínimo no estado do Paraná teve um reajuste de 6,9% e entrou em vigor no dia 1º de maio. Possui diversos valores-notícia, entre eles, o valor de Impacto, por atingir um grande número de pessoas. Há também valores como Dinheiro, por tratar das finanças e dinheiro público, de benefícios financeiros para o cidadão; e por ultimo, valor Governo, pois envolve pessoas relacionadas ao governo e a administração da cidade.

Maria Elisa Brenner Busch
Mariana Kais de Azevedo
Maruza Silverio Gozer
Paula Mayra Nunes Lima
Rafaela Carvelho

Revista Veja - Cinco editorias

Foram escolhidas cinco matérias da Revista Veja do dia 20 de abril de 2011. São elas: “Não culpem o termômetro” (Carta ao Leitor), sobre o atraso do Brasil para a Copa de 2014; “O dragão bicéfalo” (Economia), que fala da visita da presidente Dilma à China e das negociações entre os países; “Calúnia ou prevaricação?” (Brasil), à respeito da renúncia do Ministro Asfor Rocha acusado pelo ex-presidente Lula; “Em tom de companhia” (Internacional), que fala sobre a performance do presidente dos EUA, Barack Obama, na luta contra o orçamento; “Jogada ensaiada”(Copa), falando sobre a posição do governo em relação à preparação para a Copa, atraso e fiscalização.

Ao lermos os textos escolhidos, percebemos em comum alguns valores-notícia: governo, dinheiro, notoriedade e impacto. Todos envolvem o governo, sendo sua administração ou seus representantes; dinheiro, ao falarem de negociações, orçamentos, projetos; notoriedade ao citarem presidentes, ministros e políticos conhecidos; e impacto ao envolverem grande número de pessoas. Sendo assim, percebemos que para o veículo Revista Veja, esses valores-notícia são indispensáveis. São matérias que abordam temas diferentes, mas que no fundo são notícia pelo mesmo motivo.

Alunos: Julio Cesar Glodzienski
Felipe Martins Gonçalves
Fellipe Gaio da Silva
Letícia Martins Donadello
Rubia Lorena Curial Oliva
3º período - noturno

domingo, 1 de maio de 2011

Revista Veja - Crime no Realengo e Bullying

A edição da Revista Veja do dia 13/04/2011 trouxe em sua reportagem principal o relato do ataque ao colégio do bairro Realengo. Além de narrar todos os acontecimentos, a revista trás um pequeno perfil dos estudantes mortos e de Wellington, o atirador que cometeu suicídio e deixou cartas e vídeos, explicando seus motivos e dando instruções para deposi de sua morte.
A edição seguinte, do dia 20/04/2011 tratou o tema bullying. A prática pode causar sérios danos psicológicos às vítimas. A revista dá dicas de como identificar e evitar o bullying e conta histórias de jovens que superaram o trauma, conseguiram aconselhamento ou foram indenizados. É citada a criação de uma ONG pela mãe de uma das vítimas e o fato do trauma ser um dos motivos citados pelo atirador do Realengo para seus atos.

Os valores notícias encontrados nas reportagens são: segurança, atualidade, proximidade, ineditismo, impacto, valores humanos, religião, desarmamento, comoção.

Karuza Sautchuk
Maria Aparecida Brey
Paula Wernek Pellizzaro
Rafaela Campanholi

Gazeta do Povo - Salário Mínimo Regional

As reportagens sobre o reajuste do salário mínimo regional foram publicadas no jornal Gazeta do Povo nos dias 26/04 e 27/04. A primeira traz o título: Mínimo do PR de R$708 passa na Assembleia. Traz informações do reajuste de 6,9% do salário mínimo regional, aprovado na Assembleia Legislativa com 46 votos favoráveis e nenhum contra. A bancada do PT, apresentou duas emendas ao projeto, votadas no mesmo dia pela comssão-geral do plenário sem necessidade de voltar à Comissão de Justiça. O valor do reajuste foi aprovado no final do mês de março após negociações entre empresários, centrais sindicais e representantes do governo.
A segunda reportagem, publicada no dia 27/04, traz o título: Reajuste do piso regional passa sem emendas. Traz informações sobre a aprovação do reajuste de 6,9% do salário mínimo regional, em segunda discussão, pela Assembleia Legislativa. A proposta enviada à Casa pelo Governador Beto Richa, eleva as faixas salariais, entre R$708 e R$817, validas a partir de 1º de maio. A oposição criticou bastante a aprovação sem as duas emendas apresentadas pelo PT. A única emenda aprovada, foi a de autoria do deputado Luiz Eduardo Cheida (PMDB). O reajuste do salário mínimo será sancionado no dia 1º de maio pelo governador Beto Richa.
As reportagens analisadas trazem os seguintes valores -notícia
- Dinheiro: trata de um benefício para o cidadão, que diz respeito ao seu bolso.
- Poder: traz discussões no poder legislativo sobre um tema que envolve interesses politicos.
- Notoriedade: envolve representantes politicos do poder legislativo estadual.
- Proximidade e Interesse Público: é um assunto que está próximo das pessoas, pois a maioria delas dependem do salário mínimo e o aumento do piso salarial faz com que aja o interesse da população sobre o tema.

Aline Przybysewski
Ana Evelyn de Almeida
Larissa Montes Matos
Lucas Molinari