terça-feira, 31 de maio de 2011

Camila G.; Camila B.; Etine M. e Virginia C.

O presente trabalho tinha por escopo analisar a rotina e vida de um jornalista, em qualquer meio de comunicação. No caso, escolhemos os jornais impressos. Os Repórteres: Felippe Aníbal, jornalista Gazeta do Povo; Márcio Barros, repórter da Tribuna e Pedro Serópio, fotógrafo da Gazeta do Povo, nos mostraram diferentes visões do dia a dia na redação de um jornal.
Cada um tem sua rotina, mas a maneira de encararam o trabalho e a corelação entre vida pessoal e profissional se assemelha. Todos se preocupam com o trabalho, mesmo quando estão fora dele. Ficam atentos aos outros meios de comunicação: rádio, televisão e internet, buscam novas notícias, são na sua própria definição: “jornalistas 24 horas”.
Interessante ressaltar o respeito que conferem a hierarquia nas redações. Sem pestanejar conferem importância as divisões no trabalho, editores, reportes, jornalistas e pauteiros, por exemplo, mas destacam o valor de se fazer ouvir e colaborar, sempre que possível, com opiniões pessoais.
De certa forma, as opiniões divergem quanto aos valores notícias. Felippe acredita que o critério mais importante é o da abrangência, ou seja: quantas pessoas são afetadas pelo assunto em questão e de que maneira. Para Márcio o importante esta na notoriedade do caso, se é um algo inusitado ou recorrente, e valores éticos, como a integridade da fonte. Por fim, Pedro aposta que o valor de uma matéria esta no que ela que vai importar diretamente para o interesse da sociedade.
Independentemente, é consenso que trabalho de jornalista é estar antenado, em contato com as fontes e conciliando vida pessoal coma profissional.

Um comentário:

celina disse...

ok considerações.
poderia ter um título
não é mais "qualquer meio" e sim o q escolheram...