terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Teoria da Comunicação

O que se chama de teoria da comunicação diz respeito a uma tradição de estudos e pesquisas que se iniciaram no início do século XX. O que não significa que antes não havia estudos sobre comunicação. Podem ser colocados os estudos sobre a retórica, de Aristóteles, como exemplos de estudos sobre comunicação.
Segundo França: “se a reflexão sobre a comunicabilidade, a atividade comunicativa do homem, preocupou os pensadores desde a Antigüidade Clássica, a nossa Teoria da Comunicação é bem recente. Na verdade, o desenvolvimento de estudos mais sistemáticos sobre a comunicação é conseqüência antes de tudo do advento de uma nova prática de comunicação: a comunicação de massa, realizada através de meios eletrônicos, possibilitando o alcance de audiências de massa, a supressão do tempo e da distância”.
É a partir, portanto, do surgimento dos meios de comunicação de massa e das indagações que eles colocaram - o jornalismo de massa, no fim do século XIX, e, no início do século XX, o rádio e o cinema, atingindo as grandes audiências - que podemos falar numa Teoria da Comunicação, que seria o conjunto de estudos e pesquisas sobre as práticas comunicativas. Este conjunto, contudo, não constitui um corpo homogêneo ou contínuo mas, antes, representa uma multiplicidade de conhecimentos, métodos e pontos de vista bastante heterogêneos e discordantes.
Os primeiros estudos sobre a comunicação de massa acontecem nos Estados Unidos, na década de 30, a partir de uma demanda pragmática, mais política do que científica - determinando uma problemática de estudos que não foi colocada pelo interesse científico. Contratados por diversas instituições para resolver problemas imediatos relativos às questões comunicativas - daí o caráter instrumental desse tipo de pesquisa -, pesquisadores como Lasswell, Lazarsfeld, Lewin e Hovland deram início ao que Wolf chamou de communication research, ou a longa tradição de análise em comunicação.
Concluindo, a comunicação é um processo social básico, e a vida social compõe-se de interações comunicativas todo o tempo. O que marca a particularidade do fenômeno comunicativo é a “palavra”, isso é, a materialidade simbólica. A comunicação é, pois, “as relações particulares que se estabelecem através de uma materialidade simbólica construída no seio dessas relações como sua condição e expressão”, ou, de uma forma diferente, são “atos específicos erigidos em torno da palavra, da co-presença dos interlocutores”
A comunicação é toda essa rede de relações interativas dos interlocutores entre si e com o material simbólico. É a busca da globalidade do ato comunicativo - e, portanto, sua inserção no terreno do social - que caracteriza da melhor forma o objetivo do paradigma das interações comunicacionais.

Referências: In: FRANÇA, V.R.V. “Teoria(s) da comunicação: busca de identidade e de caminhos”. Belo Horizonte: Depto. de Comunicação da UFMG, 1994.
WOLF, M. Teorias da Comunicação. Lisboa: Presença, 1987
FRANÇA, Vera R. V. “O jornalismo e a comunicação”. In: Communication et Socialité: le Journalisme au-delá de l’information. Paris: Universidade de Paris V, 1993 (tese de doutorado). Capítulo traduzido por Vera França.

Fonte: www.faac.unesp.br/graduacao/di/.../Comunicação/TeoriaCasal.doc

Alunos: Deivid Simioni, Natalia Concentino, Rodolfo Kowalski e Ruthielle Borsuk
3º Período, Jornalismo/Manhã.

2 comentários:

celina disse...

ok, boa postagem.

Guilherme Santana Pereira disse...

Gostei do texto, foi uma ótima leitura. Talvez seja legal acrescentar alguma referência ao McLuhan, que foi, junto com Harold Innis, um dos grandes teóricos da comunicação no mundo contemporâneo. Segundo a obra deixada pelos dois, a comunicação é o motor da Historia. Para McLuhan, os meios pelos quais nos comunicamos se tratam de extensões do nosso corpo e sentidos. E através dessas extensões sobrenaturais, o ser humano vive hoje em uma espécie de aldeia global. A cibercultura tornou-se ponto de confluência entre pessoas de diversos pontos do mundo. Ao estudar os meios de comunicação, suas dinâmicas e consequências, esses teóricos realizaram grandes contribuições em relação ao aprimoramento da comunicação entre nós, humanos. Para finalizar, relembro mais uma das teorias concebidas por McLuhan, que dizia o seguinte: a tecnologia é a primeira causa da mudança social. Fico imaginando então quais serão os limites da internet, que já vem causando diversas mudanças sociais. Só que ai, seria assunto para uma outra hora.