quarta-feira, 18 de abril de 2012

Considerações texto Teorias da Comunicação: Hipodérmicos tardios versus funcionalistas inconscientes


   Segundo o texto de Juremir Machado da Silva, Teorias da Comunicação: Hipodérmicos tardios versus funcionalistas inconscientes, há duas ideias que são a base para renovadas teorias. Para ele, "por mais que as análises tenham se sofisticado, as matrizes originais permanecem hegemônicas estímulo-resposta e funcionalismo. O tempo passa, os termos mudam, as embalagens ganham novas cores, as ideias de base persistem". O texto relata duas visões que se diferem com relação ao uso e poder da mídia: a dos funcionalistas, que são aqueles que acreditam no poder de vontade e crítica do receptor, ou seja, o receptor é forte. E a dos hipodérmicos, que analisam o receptor como fraco devido a sua incapacidade de saber o que quer, por isso, alguém deve mostrar o que ele realmente necessita. Na ultima visão a forma de recepção é aceita e não contestada, como se a pessoa que recebesse a mensagem fizesse parte de uma massa alienada, atomizada e submissa à mídia.

   A manipulação por parte do meio ocorre em toda e qualquer forma de transmissão de notícia devido a bagagem cultural intrínseca as pessoas. Segundo a teoria hipodérmica, a manipulação ocorre porque o público é fraco e, segundo a teoria funcionalista, ela ocorre pois há veículos que propiciam essa alienação indireta, em que a pessoa é manipulada sem que, ao menos, ela perceba. Com base na visão aprofundada do "estímulo-resposta" todos os receptores recebem a mesma mensagem, mas o efeito que causa em cada um e a resposta que será dada são únicos.

   A mobilidade vivida nos dias atuais faz necessária uma mídia mais clara e menos manipulatória. Acreditamos que, atualmente, o receptor tem um potencial forte para analisar diversos veículos, porém perante a constante rapidez e impulsividade exigida o poder é perdido. É como se a falta de tempo para ler e abranger informações de mais de um veículo diminuísse a visão da pessoa e, consequentemente, aumentasse o poder manipulatório da mídia. Nos dias atuais o que prevalece é o meio termo da duas teorias, onde algum tipo de manipulação é inevitavel, por mais leve e não intencional que seja, e a midia atende a necessidade/gosto do público para poder sobreviver no mercado.

Bianca Thomé, Carolina Cachel, Letícia da Rosa e Mayara Duarte. Terceiro período de Jornalismo manhã da PUCPR.



Um comentário:

celina disse...

bom exporem um posicionamento
(a partir do artigo)

revisar o texto.