segunda-feira, 23 de abril de 2012

Hipodérmicos - Funcionalistas


Juremir Machado da Silva, em seu texto “Hipodérmicos tardios versus funcionalistas inconscientes”, nos apresenta o papel do jornalista separado por duas vertentes. A primeira apresentada seriam os hipodérmicos, que são considerados pessimistas, por acreditarem na manipulação do todo pela mídia. Eles enxergam essa mídia manipuladora como sendo poderosa, ao ponto de conseguir desviar a atenção do público (e desta forma manipular), os receptores, que são vistos como fracos.  Sendo assim, hipodérmicos acreditam que pelo receptor ser fraco, ele não tem autonomia para “escolher” aquilo que vê. Deste modo, a forma com que notícias são passadas, ou a forma em que a programação é posta para o público, é criado o “meio” para a manipulação.
Já os funcionalistas, ao contrário dos hipodérmicos, são otimistas. Não enxergando manipulação nos meios de comunicação, funcionalistas acreditam que o receptor é forte, e tem autonomia suficiente para escolher aquilo que deseja ver.
Comparando e simplificando algo que já é posto pelo autor de maneira bem simples, enquanto hipodérmicos são desconfiados e enxergam o público como fraco, ao ponto de só “digerir” algo que já lhe vem pronto, não dando brecha para interpretações e desta forma facilitando a manipulação em massa; funcionalistas defendem o ponto contrário, que o receptor tem autonomia para escolher, e consegue tirar suas próprias conclusões sobre a programação.
Vale lembrar quem entre funcionalistas e hipodérmicos não há só divergências, mas um ponto em comum, que é a importância dada aos receptores àquilo que a mídia lhe passa.
Para Juremir Machado, uma grande parcela dos jornalistas são funcionalistas. Mas também pontua, que talvez esse “funcionalismo” dos jornalistas, se deve pela ignorância, ou seja, a falta de conhecimento das teorias da comunicação.

Harianna Silva
Helena  Bianchi
Isabela Bandeira
Nivia Maria Kureke

Um comentário:

celina disse...

ok
sugiro q tirem de "Juremir..." em diante, para evitar interpretações.