quarta-feira, 18 de abril de 2012

Hipodérmicos x Funcionalistas


         Juremir Machado da Silva em sua análise sobre as teorias Hipodérmica e Funcionalista, não trata da semelhança entre as duas, “preocupar-se com a eficácia da mensagem”, mas se preocupa em debater suas principais distinções.
         Os funcionalistas acreditam que ao responderem aos interesses e estímulos do público estão tratando da comunicação com êxito! “Tudo o que o público pede, o meio de comunicação dá”. Enquanto que os hipodérmicos se fortalecem e deixam o público como espectador que não interfere no processo, apenas recebe-o, fracamente. De qualquer maneira, o receptor se torna um abrigo para o excesso de informação que lhe chega. O público é, tomado como massa, incapaz de filtrar: ou não sabe o que quer e a mídia lhe oferta, ou a mídia acredita que sabe o que o público quer, então lhe dá.

         Juremir aponta de maneira esclarecedora a diferença entre os hipodérmicos e os funcionalistas:
         “Um jornalista que vê o público como ditador do conteúdo que ele deve oferecer, é um funcionalista sem o saber. Ele acredita agir de acordo com o interesse de seu público, sem pensar na teoria, enquanto o receptor é forte, a mídia é fraca. Para ele, todos os anos de prática na profissão valem mais do que qualquer estudo teórico na área. Tem um pensamento democrático com relação ao espectador. O funcionalista acredita na capacidade que o receptor tem de filtrar e repassar a mensagem que lhe é passada.”

          “Enquanto o crítico do jornalista sente a liberdade de criticar e questionar seu oponente, sem questionar a si mesmo. Este hipodérmico condena a prática a partir da teoria estudada. Ele vê a mídia como um veículo poderoso, enquanto seu receptor é fraco, a mídia tem um grande poder de manipulação sobre o consumidor. Sente a necessidade de controlar o conteúdo que é publicado, muitas vezes de acordo com as características da empresa de comunicação, o horário de veiculação, o tipo de público que vai ter acesso a este conteúdo.”


Francisco Mallmann, Hellen Albuquerque, Laura Nicolli e Victor Hugo 

Um comentário:

celina disse...

ok
algumas questoes nao ficam claras, para mim
ex
"...apenas recebe-o, fracamente".