terça-feira, 20 de novembro de 2012

Michel Foucault


Segundo o filósofo Michel Foucault, a sociedade é impulsionada pelo discurso daquele que detém o poder. Para ele, existe uma relação íntima entre o conhecimento e o poder dentro da coletividade. O discurso que ordena a sociedade é sempre o discurso daquele que detém o saber. Além disso, existe a identificação do sujeito como aquele que está sempre determinado pelas ideias emanadas pelos superiores, ou seja, pela classe que domina ideologicamente determinada sociedade.

Exemplo: discurso de quem detém o poder: meios de massa veículos de comunicação que manipulam o discurso e dessa forma concentram o poder da informação

Michel Foucault discorre a cerca da produção do discurso afirmando que, este é regulado, selecionado, organizado e redistribuído dentro da sociedade. Essa ideia se explica no fato de que alguns assuntos e discussões são “proibidos” em alguns círculos sociais quando não dentro de toda sociedade. É preciso que haja uma legitimação, além de um ambiente e de uma circunstância ideal para que a palavra proferida seja verdadeira.

 Exemplo: âncora e cenário do telejornal, discurso e situações planejadas afim de levar credibilidade ao espectador 

A instituição escolar desempenha nesse sentido o papel de modelador, adestrador dos indivíduos, fazendo-os entender quais as ideias e discursos apropriados dentro do contexto social, principalmente segundo a classe detentora do poder. A escola funciona como apoio à vontade de verdade, ao mesmo tempo em que distribui, valoriza e reparte o saber. Dessa forma a “instituição escola” exerce uma espécie de pressão ou coerção sobre os indivíduos forçando-os sutilmente se moldar ao que pensa a classe que domina ideologicamente a sociedade. Ainda, a apropriação social dos discursos é feita pelo sistema educacional que é definido por Foucault como o espaço onde os indivíduos têm acesso a muitos discursos e aprendem a reproduzi-los. 

Para Foucault a partir do momento em que o homem tem consciência de que a sociedade constrói todo um discurso ao qual ele é moldado, este pode passar a ter voz ativa sobre suas ações, isso não significa dizer que, ele terá total liberdade sobre seus modos de agir e pensar. Mas, o indivíduo terá, ao menos, consciência e visão do jogo de ideologias ao seu redor e poderá questionar a verdade veiculada pelas instituições.  

Equipe: Heron Torquato, João Pedro Alves, Kamilla Ferreira, Leticia Duarte e Paulo Semicek..

Nenhum comentário: