sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Paul Virilio - Sociedade, Comunicação e Tecnologia


Francês nascido em Paris no ano de 1932, o filósofo,urbanista e arquieteto Paul Virilio, foi autor de uma série de livros que relacionavam as tecnologias com a comunicação e colaborador do principal jornal impresso de seu país, o Le Monde.
Em relação a "Era da Informática", o autor a considera um momento perigoso da nossa sociedade, por nos levar  à perda da noção da realidade, causada pela quebra de distâncias e territorialidades graças a absurda quantidade de informações fornecidas a todo momento. Caracterizado como um crítico que ve forma negativa as implicações dos meios de comunicação de massa, Virilio não considera a total eliminação da internet e da cibernética, mas sugere que elas sejam utilizadas de forma mais civilizada. Estar na contramão das modas intelectuais seria uma obrigação dos pensadores autonômos e engajados na busca por um mundo melhor na visão do autor, que ainda relaciona a internet com a cultura norte-americana,  caracterizada por uma forte imposição ao resto do mundo e um controle universal, sugerido na figura do "Big Brother" de George Orwell, na obra 1984.
A palavra chave utilizada por Paul em sua crítica a cibercultura é VELOCIDADE, pois segundo ele, a realidade definida por um mundo virtual, onde se ponde estar em vários lugares e ao mesmo tempo em nenhum, perdendo a total noção de tempo e espaço. É assim que ele cria e sustenta a teoria da "Era da Dromologia" em que a pressa dita o ritmo das mídias, se negando a reflexão e se intensificando na superficialidade. A dança e o teatro são, então, as duas últimas linhas de resistência a virtualização, por serem as artes do corpo por excelência e se não preservarmos os corpos dos artistas e dançarinos, estaremos provando que a tecnologia não é apenas "exterminadora" de corpos através do desemprego e da miséria, mas também em termos físicos.
O livro do filósofo analisado por nossa equipe para o trabalho foi "Os Motores da História". A obra é uma grande passagem pelas inovações técnológicas que transformam, modificam e alteram o espaço geográfico em todas as escalas (local, nacional e global). Virilio divide a estrutura de seu texto em 4 principais motores, relacionados a temporalidade da história.  O 1º deles, o motor a vapor, representa a revolução industrial e o início de uma visão de mundo mais tecnológico. O 2º é o motor de explosão, que permitiu o homem a oportunidade de voar, obtendo uma visão inédita do mundo, a visão aérea. Já o motor elético, 3º na lista, permitiu a eletricidade e a chegada da visão noturna das cidades, além do desenvolvimento da parte técnica do cinema. O último, o motor-foguete, permitiu ao homem a saída do espaço terrestre, permitindo uma visão sobre a terra vinda de outro lugar: A Lua. Assim, Virilio completa sua obra, mostrando que cada motor modificou a informação sobre o mundo e como nós nos relacionamos com ele.

ALUNOS:

Flavio Darin
Harianna Stukio
Marcio Kaviski
Marcos Garcia
Pedro Domingues,
Rafaela Bez

Nenhum comentário: