quinta-feira, 13 de junho de 2013

Função de “gatekeeper” está cada vez mais descentralizada


Função de “gatekeeper” está cada vez mais descentralizada


Douglas Santucci nos da seu relato de como a função de “gatekeeper” é realizada em seu jornal


A vida de um “gatekeeper” não é das mais fáceis. Não é apenas decidir o que é relevante ou não. Douglas Santucci, editor do Band Cidade da emissora de TV Band do Paraná é um exemplo disso. Mesmo não assumindo ser um verdadeiro “gatekeeper”, Santucci é quem decide o que vai para o ar ou não.
Sua rotina não é sempre a mesma. A primeira coisa que faz ao chegar ao estúdio é procurar organizar o jornal aos poucos. “Vejo o que temos de produção na casa, o que estamos fazendo, o que vamos fazer”, conta Douglas. Ele conta que quando perdem algum fato importante entram em contato com outras equipes de reportagem, com praças do interior e com outras emissoras. 
O editor do Band Cidade comenta que a função de “gatekeeper” está cada vez menos centralizada. “Pauteiros definem o que vai ser feito, mas a participação da equipe é grande em sugestões e opiniões”, explica Santucci. E conta também que são os editor-chefe e editor-executivo definem o que é prioridade e Douglas tenta colocar tudo no ar.
Para decidir o que é mais importante os editores da Band adotam como critério de noticiabilidade os acontecimentos próximos ou que afetam a Curitiba e região metropolitana. Além disso afirma que “quanto mais factual melhor”.  

Por: Alana Freiberger, Bruna Catache e Jhenyffer Alves Borges.