quinta-feira, 28 de novembro de 2013

UM EXEMPLO DE VITÓRIA

ferson Antunes da Silva, mais conhecido como Jeff pelos seus amigos, nasceu dia 26 de agosto de 1985, na periferia de Curitiba. Filho de pais pobres com mais três irmãos, a vida lhe foi dura. Estudou pouco, só até a 8 ª série, pois tinha que trabalhar para ajudar nas despesas de casa. Quando Jeff tinha 16 anos, seu pai, que era cobrador de ônibus, ficou muito doente e veio a falecer. A mãe, que era costureira, ficou sozinha com seus 4 filhos.


Jeff trabalhava como office-boy em uma corretora de seguros. Ganhava em torno de 200 reais e todo seu salário ia para a casa. Vivia em função de sua família. Mas isso o cansou. Começou a frequentar alguns lugares e a conhecer alguns “amigos” que o levaram para o mau caminho. Primeiramente, Jeff conheceu a maconha, depois a cocaína e por aí foi. Saiu de casa, largou o emprego e foi na morar na rua, refém do vício e da sorte.
Foram quatro anos vivendo como mendigo nas ruas de Curitiba. Pedia dinheiro nos semáforos e quase tudo que ganhava ia para sustentar o vício em drogas e álcool. Não roubava e nem assaltava, pois tinha consciência de que as pessoas não tinham culpa de sua doença. Tanto é, que ele confessava para as pessoas para quem pedia dinheiro de que era para o sustento de seu vício.
Até que um dia uma pessoa mudou sua vida. Uma não, várias. Uma Kombi da Fundação de Ação Social parou em frente a loja que ele estava dormindo, levando Jeff para um albergue. Claro, a princípio foi contra a sua vontade, mas conseguiram convencê-lo de que seria melhor tratar de seu vício. Levaram Jeff para um centro de reabilitação no Bairro Alto, que disponibiliza várias oficinas profissionais. Foi aí que ele começou a desenvolver suas habilidades para o artesanato.

Faz quatro anos que ele venceu as drogas. Hoje, Jeff vende o que faz em feiras populares como a que está acontecendo na Praça Osório. Ele faz lembrancinhas relacionadas ao estado do Paraná. Sua vitória pessoal é um exemplo para todos nós.

Grupo: Luciano Simão, Pedro Melo, Roberto Rohden e Vithor Marques.

Nenhum comentário: