domingo, 5 de outubro de 2014

Teoria de Newsmaking

   A hipótese de Newsmaking dá especial ênfase à produção de informação, ou melhor, a transformação dos acontecimentos cotidianos em notícia. Essa teoria estuda a prática dos meios para organizar os fatos, em uma tradução livre podemos considerar como os fazedores ou criadores de notícia. Segundo Mauro Wolf é uma teoria ligada à sociologia das profissões é portando uma teoria do jornalismo e não propriamente da comunicação.
    Quando se fala de Newsmaking é impossível não relembrar o conceito de Gatekeeping, que é aquele que realiza a filtração das informações que serão divulgadas pelo veículo. A teoria nos ajuda a entender o modo pela qual a informação flui, para que não ocorra nenhum erro na hora de publicar as noticias, o veiculo deve seguir algumas etapas no processo de seleção e organização do fato.
     Essa seleção de conteúdo é feita por critérios de noticiabilidade, que reúne o conjunto de qualidades dos acontecimentos que permite a construção de uma matéria jornalística. Essa noticiabilidade é regrada por valores-notícias que são agrupados em cinco categorias:

Categorias substantivas: ligam o acontecimento em si e seus personagens
1.0   Importância
     1. Grau e nível hierárquico dos indivíduos envolvidos no acontecimento
     2. Impacto sobre a nação e o interesse nacional- Importância de proximidade      geográfica
     3. Quantidade de pessoas envolvidas no acontecimento- quanto maior o número, maior noticiabilidade.
     4. Relevância e significação quanto seu potencial de evolução e conseqüência - Fatos que possam ter consequências são mais importantes que aqueles que se esgotam no mesmo tempo.
 1.1   Interesse
1. Capacidade de entretenimento – O inusitado, inesperado sempre atrai mais
2. Interesse humano
3. Composição equilibrada do noticiário – um jornal não pode apresentar não pode apresentar informações só positivas ou só negativas tem buscar equilibro entre ambos os elementos.

Categoria relativa ao produto (notícia): Características específicas ao produto informativo.
1. Brevidade: O relato deve estar adequado aos limites do noticiário
2. Condição de desvio de informação: noticia ruim é sempre mais interessante que noticia boa
3. Atualidade: Capacidade da noticia ter desdobramentos e de serem acompanhados em tempo real pelo receptor
4. Atualidade interna: Tem relação direta e exclusiva com a organização jornalística
5. Qualidade: O material disponível deve ter um mínimo de qualidade técnica compatível com o veiculo que será transmitido (imagem, som, foco e etc.)
6. Equilíbrio: Tem a ver com a edição que deve ser equilibrada em relação com conjunto de informação, mesclando os temas.

Categorias relativas aos meios de informação
1. Bom material visual X texto verbal: deve a ver equilibro entre os dois aspectos
2. Freqüência: planejando e a utilidade das informações para serem distribuídos em todo os veículos de uma empresa de rede grande, por exemplo, radio, TV, online.

Categorias relativas ao publico – refere-se a imagem que o profissional ou o veiculo passam para o publico e o modo com que se preocupam em atende-los.
1. Estrutura narrativa: deve ter clareza para o receptor
2. Protetividade: evitar publicar noticia que causem ansiedade desnecessária, exemplo: acidentes sem detalhes.

Categorias relativas à concorrências –  Os  meios de comunicação concorrem entre si e buscam saber antecipadamente os assuntos publicados pelas outras empresas    
1. Exclusividade de notícias
     2. Desencorajamento sobre inovações – os veículos mais tradicionais relutam em publicar fatos que contestem valores pressupostos pelos seus eleitores.
     3. Estabelecimentos de padrões profissionais -  novos profissionais ou veículos toma como referencias modelos mais tradicionais mesmo que seja para combatê- los.

Por: Marjorie coelho/3° Período 

           


Um comentário:

Celina Alvetti disse...

ok ainda q um tanto dependente de fonte.