segunda-feira, 1 de junho de 2015

Agenda-Setting: Pautando discussões

 Em “Teorias da Comunicação”, Mauro Wolf versa sobre diversas teorias que ajudam a entender como se dá a construção do jornalismo e de que forma fatores externos interferem diretamente no modo como as notícias são selecionadas e dispostas ao grande público. A hipótese da agenda-setting, por exemplo, tenta explicar como e por que determinados temas são pautados pela mídia e ganham mais atenção que outros assuntos.

Segundo ele, é pelo agendamento que se escolhe o que a sociedade discutirá em um determinado período de tempo. Além disso, tudo que é apresentado pelos veículos de comunicação contribui para a formação da opinião pública e por isso o jornalista tem uma grande responsabilidade de selecionar os fatos que terão destaque através de critérios chamados valores-notícia, levando em conta também o interesse público.
Este poder de influência é evidenciado quando Wolf cita Shaw “o público tende a atribuir àquilo que esse conteúdo inclui uma importância que reflete de perto a ênfase atribuída pelos mass media aos acontecimentos, aos problemas, às pessoas” (Shaw, 1979,96).

Ao analisar as notícias publicadas pelo portal G1 sobre a reforma política, é possível afirmar que é de interesse público que o tema seja pautado nas rodas de conversa e na sociedade como um todo. Contudo, a mesma importância não está sendo dada as votações no Senado que retiram direitos dos trabalhadores. Ao que parece, trata-se de uma manobra da mídia para tirar a atenção de um tema tão relevante quanto à reforma política, senão mais. Sob esta perspectiva, concluo que o poder dos veículos de comunicação deve ser exercido com responsabilidade, para que o interesse público não fique à mercê dos interesses de determinados públicos.
Kássio Pereira – acadêmico de jornalismo do 3º Período (Noturno)

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/05/senado-aprova-mp-que-restringe-o-acesso-ao-seguro-desemprego.html

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/05/camara-aprova-tres-novas-regras-na-primeira-semana-da-reforma-politica.html


Nenhum comentário: