segunda-feira, 1 de junho de 2015

Wolf e a Agenda Setting

Mauro Wolf mostra em seu livro “Teorias da Comunicação” diversas teorias que embasam a construção do jornalismo e a forma que situações externas podem modificar o que chega ao público e como este interpreta as notícias, como por exemplo a Agenda Setting, teoria que explica porquê alguns assuntos recebem mais atenção que outros e são pautados pela mídia.

Segundo a Agenda Setting, a mídia ao dar maior importância para determinados assuntos, pode pautar o que é discutido pelo público e o que ele falará, chamado de agenda pública. Essa ação acaba por influenciar seu público e suas opiniões sobre os assuntos de acordo com o interesse da mídia, que seleciona o que o público verá e segura sua audiência, baseando-se também em critérios de noticiabilidade.


Um exemplo foi a execução de um traficante paranaense na Indonésia, retratado com maior destaque pela Gazeta do Povo. Outras notícias sobre morte de traficantes não ganharam tanto espaço no jornal, mas quando o fato inédito (execução de um brasileiro em outro pais) aconteceu com alguém do estado, o jornal prontamente realizou uma matéria sobre o ocorrido, alem de “humanizar” a matéria, trazendo detalhes sobre como o rapaz era, coisa que não acontece com outros traficantes mortos. A abordagem dessa maneira pauta a opinião dos leitores, como diz a Agenda Setting, que passam a enxergar o traficante de forma mais humana, diferentes de outros, além da proximidade pelo fato dele ser paranaense, o que é um critério de noticiabilidade.

Matéria: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/corpo-de-paranaense-executado-na-indonesia-e-enterrado-em-curitiba-2oqymv8rpfdt11kz5txz6ebb0

Louise Fiala Schmitt - 3º período noturno

Nenhum comentário: