quinta-feira, 19 de novembro de 2015

A arte em construção

Por Julia Favaro, Igor Arendt e Mayara Schade
“O objetivo profundo do artista é dar mais do que aquilo que tem”. Essas foram palavras proferidas pelo filósofo, escritor e poeta francês Paul Valéry, na tentativa de descrever uma das mais complexas e incompreendidas funções do homem no mundo.
Um artista, aquele que doa-se de corpo e alma para o trabalho e que muitas vezes definha no esquecimento. Esse é o fardo, e também o regozijo ao qual o jovem artesão e bonequeiro da Lapa, Alessandro Oliveira de Souza, de 21 anos, mergulhou a sua vida.
Desde pequeno, seu fascínio pelas fantasias que a arte aflorava na mente dos homens e a influência do trabalho de seu pai, um feitor de brinquedos, o levaram a escolher esse ofício.
Alessandro confecciona bonecos, constrói seus figurinos e engenha todo o apoio de sustentação e movimento que lhes dá vida. Tudo é feito com materiais recicláveis, confecções simples, mas que no final demandam extrema complexidade de projeção. Suas obras envolvem esculturas em madeira, papel, papelão e todo e qualquer material que possa ser aproveitado.
O jovem artista, que há pouco teve contato com o artista e bonequeiro João Andirá, vem aprimorando suas obras, fazendo uso da orientação e do conhecimento que o mais velho tem a lhe passar. Nesse novo cenário e com essas novas faces que a arte na isolada e pacata cidade da Lapa se renova, caminhando a cada dia para um futuro em que a realidade será invadida pela fantasia.
Aos 21 anos, o artista e artesão, Alessandro Oliveira de Souza, demonstra suas habilidades

Um comentário:

Celina Alvetti disse...


boa escolha de angulo.

ver revisão de texto (se doa)