quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Por Patricia Munhoz, 3° período de jornalismo

Mais participação cultural e mais informação


Com tanta tecnologia rodeando o indivíduo fica difícil dar atenção a cultura de proximidade – ir a museus, teatros, cinemas -. É obvio que é possível ter todas as informações sobre artistas e qualquer cultura dentro do seu quarto com um computador no colo.
Entendemos a palavra cultura aqui como as atividades culturais que a cidade de Curitiba nos oferece em todas as áreas possíveis, como literatura, arte plástica filmes entre outros.
A facilidade que a tecnologia nos proporciona está anulando o hábito de sair da zona de conforto e buscar atividades culturais pela cidade. Curitiba oferece muitos eventos, bienais e encontros culturais para todos os gostos.
Admito que ainda há uma precarização na divulgação. Se você espera que apareça na sua frente uma oportunidade de participar, espere sentado. Essa falta de informação ocorre devido a hierarquia de assuntos escolhidos pela a agenda da mídia, muitas vezes, o veículo divulga eventos culturais que lhe rende alguma coisa. Nesse caso, o interesse do receptor/leitor é desvalorizado.
Para poder conhecer melhor nossa cidade, nossa cultura e diversas outras, faz se necessário ir atrás. Ou seja, fuçar diversos sites, ficar atento as notícias de cultura e, muitas vezes, professores dão dicas de eventos rolando no local.
Assim como os veículos selecionam o que querem passar para seus leitores/expectadores, nós devemos escolher o que queremos receber de informação. Para conhecer mais as atividades culturais do munícipio é preciso selecionar as mídias e veículos que irão nos fornecer as informações necessárias para nossos interesses individuais.
A exemplo, em Curitiba todo ano tem o Litercultura que é um evento gratuito e que traz diversos escritores, até de fora do Brasil, para dar palestras sobre suas obras. Esse ano além de abordarem os assuntos referentes as obras, os escritores trouxeram a suas “conversas” assuntos de questões sociais, como os problemas que refugiados enfrentam, e também questões políticas.
Entretanto para saber sobre o evento era difícil, pois só tinha no próprio site deles. A pergunta que devemos fazer é: por que um evento tão bacana como esse, não é divulgado ou é muito pouco? Por que existe a falta de interesse da mídi com relação a assuntos culturais?
No entanto, independentemente dessa dificuldade o que falta na sociedade, principalmente por parte dos jovens, é deixar a preguiça de lado. Também é preciso lembrar que apesar da internet ser algo muito bom e um facilitador em nossas vidas, nada substitui o pessoal, ou seja, ir ao local, ver de perto, pegar um livro na mão, ter um contato real com as experiências.
Acredito que todo tipo de cultura é válido. Por exemplo, você pode gostar mais de literatura clássica brasileira, mas isso não pode te impedir de conhecer a Bienal de Quadrinhos. Inclusive apesar de ter tido relevância na agenda da mídia local, a maior vinculação de informações sobre a Bienal ainda foi o Face book.
Ou seja, talvez as redes sociais estejam tendo mais força na divulgação de notícias sobre atividades culturais do que as mídias em si. É possível que as redes sócias como Face book e Twitter estejam mais preocupadas em passar tais notícias.

Questão: Como você vê essa questão em Curitiba?


Nenhum comentário: